Atrasos no SEF obrigam brasileira a viajar para a Madeira para tratar de papéis

20 Ago 2019 / 10:05 H.

As despesas de uma viagem de Lisboa para a Madeira, mais as de estadia e alimentação, fazem parte dos gastos que a brasileira Bruna Pereira dos Santos, que vive em Lisboa desde 2016, teve de suportar para renovar o visto de residência.

Tudo porque a data mais próxima de agendamento para a renovação, antes que o actual caducasse, a 11 de Setembro, era na Madeira.

De acordo com o jornal Público, a brasileira pediu dinheiro emprestado, 500 euros, para cobrir as despesas e tratar dos documentos.

Na mesma peça, o Público conta ainda o caso de outra mulher que teve de se deslocar à Guarda para o mesmo efeito.

Estes são mais dois casos de imigrantes que percorrem o país para conseguirem estar legais em Portugal. Se não o fizerem, arriscam-se a ser expulsos e a pagar uma multa.

De acordo como Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), até ao final do ano há “48.890 agendamentos registados só para renovação de título de residência” e desde o início de Agosto foram “reafectadas cerca de oito mil vagas para os processos com maior procura” — que já estão todas preenchidas. Para o SEF os processos com maior procura são, além da renovação de autorização de residência, a autorização para o exercício de actividade e o reagrupamento familiar.

Tópicos

Outras Notícias