As promessas de Albuquerque

16 Jul 2017 / 02:00 H.

Quase dois anos e meio passaram, desde que ocorreram as últimas eleições legislativas regionais ganhas, apenas por 12 votos, pelo PSD dito “renovado” e liderado por Miguel Albuquerque. Muitas promessas, demasiadas intenções e muito poucas concretizações, tem sido a actuação do actual governo que é do mesmo partido que há 40 anos tem tido os destinos legislativos e executivos da nossa Região! Miguel Albuquerque venceu essas eleições sem ter participado em qualquer debate televisivo a dois e sem que na altura se conhecesse um programa consistente para governar a Madeira. Estes factos são para reflexão! Após ter sido legitimado nas urnas para formar governo, antes de tomar posse, todos nos lembramos de uma entrevista à RTP onde foi claro ao dizer que no seu primeiro ano de governação, iria devolver 18 a 23 milhões de euros do IRS aos contribuintes! Dessa forma permitir-se-ia que, gradualmente, o diferencial fiscal dos 30% fosse novamente reposto, pois como se lembram as medidas de austeridade resultantes da dívida criada na Região pelo PSD, teve como consequência que os nossos impostos tenham sido praticamente equiparados aos do continente, desaparecendo todos os benefícios anteriores da insularidade! Até hoje, nunca mais os madeirenses recuperaram esse diferencial fiscal! Há cada vez mais gente que se questiona sobre os benefícios da Autonomia quando, na prática, as famílias madeirenses têm menos dinheiro ao fim do mês que os açorianos e os continentais? As promessas nos transportes: nas viagens aéreas é o que se vê, quem tem 500 euros viaja quem os não tem, paciência, pensará o secretário do tecto máximo, Eduardo Jesus! A ligação marítima entre a Madeira e o continente, a implementação de um novo modelo portuário, o transporte de carga aérea são tudo, por enquanto, intenções, sem concretização à vista! Ainda temos na memória a afirmação de Miguel Albuquerque dizendo que a Saúde seria a sua maior prioridade! Pois, em dois anos e meio, já tivemos na pasta da saúde 3 secretários regionais, a situação do hospital do Funchal degrada-se todos os dias, os profissionais andam exaustos devido à falta de recursos humanos, as listas de espera agravam-se por falta de resposta e até alguns serviços que davam garantias, como o da obstetrícia entre outros, já deixam os pacientes amedrontados! Na educação, acabámos de saber que a Madeira obteve médias nos exames do 12º ano abaixo das nacionais e o senhor secretário da tutela não sabem o porquê! É fácil de explicar: tem havido uma desorçamentação no sector educativo, nomeadamente, nas verbas que são atribuídas às escolas. Se não há dinheiro para fotocópias, os professores que as paguem! Se as escolas não têm dinheiro para realizarem acções de formação, os docentes e educadores que tirem dinheiro dos seus parcos vencimentos e assumam esse custo! Apenas dois exemplos para se justificar que a educação deixou de ser uma prioridade para Miguel Albuquerque. Podemos concluir que este governo está desorientado e as eleições que se avizinham servirão para testar a popularidade do mesmo!

António Lopes da Fonseca
Outras Notícias