Presidente das Filipinas decide não estender lei marcial na região de Mindanao

10 Dez 2019 / 09:14 H.

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, decidiu não estender a lei marcial na região de Mindanao, no sul do país, após dois anos e meio em vigor para combater o terrorismo na região.

“A rebelião terrorista e extremista foi enfraquecida como resultado da captura ou neutralização dos seus líderes, além de a taxa de criminalidade ter diminuído”, apontou o porta-voz presidencial, Salvador Panelo, em comunicado.

Salvador Panelo disse que o Governo “confia que a aplicação da lei possa manter a paz e a segurança na região” sem a necessidade dessa exceção, declarada em maio de 2017 quando grupos jihadistas ocuparam a cidade muçulmana de Marawi.

A lei marcial cessa em Mindanao no dia 31 de dezembro.

A decisão do Presidente filipino ocorre depois de a Polícia Nacional, Forças Armadas e do Secretário de Defesa, Delfin Lorenzana, terem aconselhado a abolição da lei marcial naquela região problemática do sul do país.

Rodrigo Duterte impôs pela primeira vez a lei marcial em Mindanao em 23 de maio de 2017, horas após insurgentes do Grupo Maute, semelhante à organização jihadista Estado Islâmico (EI), iniciarem uma rebelião armada na cidade de Marawi, no oeste da ilha de Mindanao.

Embora a ofensiva de Marawi tenha sido terminada em outubro de 2017, o Governo estendeu a medida por três vezes: primeiro até o final daquele ano, depois ao longo de 2018 para “eliminar até o último terrorista” e depois novamente prorrogado por todo o ano de 2019.

Com 20 milhões de habitantes, cerca de 20% de muçulmanos, Mindanao tem sido palco de décadas de conflitos entre o Governo e grupos extremistas, como Abu Sayyaf ou os Lutadores pela Libertação Islâmica do Bangsamoro, também leais ao EI, entre outros grupos.