Preço das casas na Madeira sobe 3,1% no segundo trimestre de 2019

02 Jul 2019 / 10:14 H.

A habitação está cada vez mais cara na Madeira. Segundo do índice de preços do portal imobiliário Idealista, o preço da habitação na Região Autónoma da Madeira registou uma subida de 3,1% durante o segundo trimestre de 2019, situando-se nos 1.539 euros/m2. A subida no último ano foi de 8,7%.

Dos nove municípios analisados, Calheta foi o que apresentou a maior subida (7,1%), seguido por Ribeira Brava (5,2%) e Machico (5%). Por outro lado, Santana e Câmara de Lobos apresentaram descidas de 3,9% e 0,8%, respectivamente.

O Funchal apresentou um aumento de 3,3% custando 1.805 euros/m2. As freguesias mais caras para comprar casa no Funchal são São Gonçalo (2.408€/m2), Sé (2.312€/m2) e São Martinho (2.037€/m2). Por outro lado, as mais baratas são Monte (1.121€/m2), São Roque (1.405€/m2) e Santo António (1.436€/m2).

Na ilha do Porto Santo, os preços subiram 3% situando o preço do metro quadrado em 1.222€.

Em comparação com o resto do país, a habitação registou uma subida de 4,5% durante o mesmo período, situando-se em 1.932 euros/m2.

Regiões de Portugal

Todas as regiões assistiram a um aumento de preços em termos trimestrais com excepção da Região Autónoma dos Açores que apresenta uma descida de 1,8%. Destaque para a Área Metropolitana de Lisboa, que viu os preços crescerem 6,5%. Seguem-se, por esta ordem, Centro (4%), Algarve (3,9%), Norte (3,8%), Região Autónoma da Madeira (3,1%) e Alentejo (1,5%).

A Área Metropolitana de Lisboa com 2.807 euros/m2 continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve onde custa 2.153 euros/m2, Norte (1.570 euros/m2) e Região Autónoma da Madeira (1.539 euros/m2).

Do lado oposto da tabela, encontra-se a Região Autónoma dos Açores (834 euros/m2), o Centro (1.020 euros/m2) e Alentejo (1.041 euros/m2), como as regiões mais baratas.

Distritos

Os preços subiram em 17 distritos – entre 24 analisados, contando com as ilhas da Madeira e dos Açores –, com os maiores aumentos a terem lugar em Lisboa (5,3%), Porto (5,1%), Guarda (4,8%), Setúbal (4,6%) e Leiria (4,2%). No caso de Coimbra, a subida foi de 2,9%.

Por outro lado, desceram em São Miguel (Ilha) (-5,2%), Castelo Branco (-2,5%), Portalegre (-2%) e Santarém (-1,9%).

O ranking dos distritos mais caros continua a ser liderado por Lisboa (3.162 euros/m2), seguido por Faro (2.153 euros/m2) e Porto (1.816 euros/m2). Os preços mais económicos encontram-se na Guarda (645 euros/m2), Castelo Branco (663 euros/m2), Bragança (701 euros/m2) e Vila Real onde custa 730 euros/m2.

Cidades capitais de Distrito

Os preços aumentaram em 16 capitais de distrito, com a Guarda (13,1%) a liderar a lista. Seguem-se Setúbal (7,7%), Aveiro (6,8%) e Coimbra (6,4%). Já em Lisboa foi de 5,9% e no Porto a subida foi 1,6%.

Por outro lado, em Évora foi onde os preços mais desceram, 2,7%. Seguem-se Castelo Branco (-1,6%) e Ponta Delgada (Açores) onde a descida foi de -1,2%.

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, 4.516 euros por m2. Porto (2.718 euros por m2) e Faro (1.841 euros por m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Castelo Branco (671 euros por m2), Bragança (738 euros por m2), e Guarda (761 euros por m2).

O relatório completo encontra-se em:

https://www.idealista.pt/media/relatorios-preco-habitacao/venda/madeira-ilha/