“O que conseguimos” na Educação da Madeira “é extraordinário”

Para Albuquerque a Região tem “dos melhores professores e das melhores escolas do país”

14 Jun 2019 / 12:13 H.

O alerta é do presidente do Governo Regional. “Temos que ter os jovens dotados da capacidade crítica de discernimento para continuar a diferenciar o mal do bem, a informação da desinformação, aquilo que é credível daquilo que não é credível, aquilo é manipulação daquilo que é a verdade, porque esses são os grandes desafios”.

Palavras proferidas esta manhã na Escola Básica do 2º e 3º Ciclos da Torre, em Câmara de Lobos, durante a cerimónia que juntou a festa de encerramento do ano lectivo à comemoração dos 25 anos da escola, pese embora a mesma tenha sido inaugurada a 5 de Outubro (1993).

Perante uma plateia algo ruidosa, Miguel Albuquerque afirmou que “os valores cívicos são aqueles que vão fazer a defesa da nossa sociedade contra os ismos, contra os populismos, contra os racismos, contra a xenofobia, contra a entropia, contra todos aqueles valores que no fundo são regressivos e representam não o progresso, mas o retrocesso”, avisou.

Apesar do juízo manifestado, considera que “nós não temos que ter medo do futuro”, confiante que “vamos continuar no caminho do bem e do progresso”.

Antes, aproveitou a presença dos professores para tecer rasgados elogios à classe docente, nesta que foi a primeira vez que foi à Escola da Torre, considerando-a “tributária da excelência da Educação que hoje é praticada na Região.

Depois de regressar ao passado para lembrar que no início da Autonomia a sociedade madeirense era “atrasada” com “mais de 50% de analfabetos” e apenas escolas secundárias no Funchal e em São Vicente, Albuquerque foi categórico na conclusão: “O que conseguimos também na Educação nesta terra foi extraordinário”. Convicção mais excepcional ainda porque “partimos de uma situação de grande desvantagem” e “hoje temos dos melhores professores e das melhores escolas do país”, concluiu.

Embora algo apressado por ter viagem, esta tarde, para Lisboa, Albuquerque teve tempo para mostrar dotes nas artes plásticas, num painel que integrava uma exposição de desenho À entrada da escola. Desenhou uma moto acompanhada da frase “sempre a acelerar até à vitória da Madeira”.

Na cerimónia festiva realizada no pátio, a presidente do Conselho Executivo da Escola, Zulay Freitas, deu conta da pretensão de incluir na oferta formativa do próximo ano escolar um “curso CEF na área de Pasteleiro e Padeiro”. Já o presidente do Conselho da Comunidade Educativa, José Xavier Dias, lembrou que “uma escola só se faz com o contributo de todos”.

Por sua vez, a vereadora com o pelouro da Educação na Câmara Municipal de Câmara de Lobos, Vanessa Azevedo, optou por deixar apenas breves palavras, por entender que os protagonistas da celebração eram “os alunos, professores e contínuos”. Como tal, registou a “capacidade que a Escola da Torre tem em se adaptar às necessidades dos alunos” e dirigindo-se em particular aos alunos, mesmo reconhecendo que “a vida desta geração não é propriamente fácil”, fez um apelo: “não desistam”.

Outras Notícias