Minuto de silêncio marca hoje aniversário do incêndio da Torre Grenfell em Londres

14 Jun 2018 / 09:18 H.

Um minuto de silêncio vai ser observado hoje ao meio dia no Reino Unido em homenagem às 72 vítimas do incêndio da Torre Grenfell, em Londres, por ocasião do primeiro aniversário da tragédia.

Esta homenagem junta-se a outras iniciativas, que começaram na noite de quarta-feira com a iluminação de verde do que resta do edifício no oeste de Londres, bem como de outros edifícios em redor.

A cor verde está relacionada com a campanha “Verde por Grenfell”, criada por sobreviventes e outros ativistas para sensibilizar para o que sucedeu há um ano atrás.

Um incêndio que começou num frigorífico no quarto andar alastrou rapidamente aos andares superiores da torre de 25 pisos, alegadamente devido ao revestimento inflamável.

Inicialmente, os bombeiros aconselharam as pessoas a não deixarem os seus apartamentos, o que acabou por ser fatal para muitos que residiam nos pisos superiores e que não conseguiram escapar.

Ao todo, morreram 70 pessoas no incêndio, mais uma vítima de ferimentos que sucumbiu no hospital e um bebé nado morto, filho dos portugueses Márcio e Andreia Gomes.

Logan Gomes, que já tinha quase sete meses de gestação, morreu devido à intoxicação com fumo da mãe, que foi hospitalizada juntamente com uma das duas filhas após uma fuga dramática pelas escadas desde o 21.º andar.

Além do casal Márcio e Andreia Gomes e das duas filhas menores, viviam na Torre Grenfell outros seis portugueses: Miguel e Fátima Alves e dois filhos, que viviam no 14.º andar, e outros dois amigos portugueses, residentes no mesmo andar, mas num apartamento vizinho.

O mais mortífero incêndio doméstico desde a Segunda Guerra Mundial no Reino Unido está a ser alvo de um inquérito público liderado pelo juiz aposentado Martin Moore-Bick com o objetivo identificar as causas para assim evitar futuras tragédias.

Além de perceber porque é que as chamas se espalharam tão rapidamente, vão ser analisadas a atuação dos serviços de emergência e das autoridades locais e as regulamentações em vigor para a construção.

Outras Notícias