Pavilhão cheio para comemorar os 128 anos da Francisco Franco

09 Out 2017 / 11:26 H.

Na entrada do pavilhão há balões de várias cores. No centro estão Jorge Carvalho, António Pires e alguns professores da Escola Secundária Francisco Franco para comemorar o 128º aniversário da escola e entregar os Prémios de Mérito a 460 estudantes.

O primeiro a falar é António Pires, várias vezes aplaudido por centenas de estudantes e encarregados de educação que enchem o pavilhão. O presidente do conselho executivo da escola destaca alunos, professores ou áreas de estudo e termina o discurso a apontar para o futuro e para a vontade de investir nas novas tecnologias. Acima de tudo, deseja que a Francisco Franco continue “uma escola onde seja bom estar, onde seja bom trabalhar”.

Logo depois é a vez do secretário regional de Educação que faz um discurso pautado pela importância do “reconhecimento” e “mérito” dos alunos e homenageia a comunidade educativa da escola: “Se há alunos reconhecidos pelo bom desempenho é porque há um conjunto de professores empenhados”, diz Jorge Carvalho. Acrescenta o secretário: “A excelência tem caracterizado a escola”.

Por último, depois de um momento musical interpretado por uma aluna da escola, é a vez dos melhores alunos serem premiados: 161 nos quadros de assiduidade e 460 com Prémios de Mérito. Como alguns entraram no Ensino Superior este ano, são os encarregados de educação que recebem o prémio. Como o do ex-aluno Rodrigo Caldeira Costa, que conseguiu uma média de 20 valores, e começou a estudar Belas Artes, este ano lectivo, no Reino Unido; ou de Maria dos Anjos Barros, a terceira melhor aluna da escola e que agora estuda Medicina em Lisboa.

Já Margarida Vieira Rei, a segunda melhor aluna da Francisco Franco, não precisou de nenhum representante para receber o prémio. A aluna pôde estar presente na entrega de prémios porque escolheu frequentar a licenciatura na Universidade da Madeira.

Ao longo da cerimónia são distinguidos outros alunos, como o estudante com melhores resultados nos exames nacionais, João Francisco César - que alcançou 200 pontos em Geometria Descritiva A e 190 pontos em História da Cultura das Artes.

Os melhores alunos do 10º e 11º anos, para cada um dos agrupamentos, também recebem prémios.


Entregues por professores, por Jorge Carvalho ou por António Pires, os alunos levam para casa cheques no valor de 150€, livros, viagens, relógios, entre outros.

Outras Notícias