PSD/CDS-M?

13 Out 2017 / 02:00 H.

    Surpreendeu-me pela negativa uma notícia que li acerca de uma coligação na Madeira com o partido dos 30 e tal anos.

    Como é que uma pessoa da Elite Política como o senhor Ricardo Vieira vem defender uma união entre o PSD e o CDS na Madeira?

    Pelo menos a “Cafofada” manifestou-se como alternativa.

    Eu já ouvi PSDs a chamar ao CDS de “C*g* Dentro da Sanita”, desculpem a linguagem, foi o que ouvi, e o CDS sempre foi anti governo do despesismo.

    Eu nunca entendi o masoquismo,porque se calhar não tenho mesmo que o fazer.

    Houve desentendimentos no CDS com o senhor Lopes da Fonseca porque alguns membros achavam que ele queria vender o partido,e agora o líder desses que achavam isso quer coligação com o inimigo para evitar uma geringonça insular,isto não faz sentido nenhum.

    Temos um partido no governo da ilha há mais de 30 anos no poder,que monopolizou os portos,a eletricidade, as câmaras,as inspeções e os eleitores e um dos partidos que tanto defendeu uma mudança agora quer coligação com eles?

    A dívida de 6 mil milhões e a Marina do Lugar de Baixo foram temas de crítica por todos os outros partidos,incluindo este,agora têm um problema com a oposição?

    Geringonça foi o PSD-M andar tanto tempo no governo, uma vergonha para uma ilha que se diz democrata.

    A alternância no poder foi um dos motivos pelos quais a revolução de Abril lutou, na Madeira não respeitamos isso.

    O CDS não consegue vencer o inimigo,então é melhor juntar-se a ele,sem perceber que isso serve para a laranja abusar dos madeirenses ainda mais.

    Vou ser sincero,sempre fui anti laranja, e se esta união for em frente, eu prefiro a “geringonça insular”, coligações eu não gosto,mas gosto de alternância no poder,e é para isso que voto.

    Já que vai saír da ALM, senhor Ricardo, faça um favor à sanidade mental dos madeirenses e à democracia em geral e desista de propor essa ideia, tenha juízo.

    Por haver ideias destas é que a abstenção existe, porque sempre se diz o mais caraterístico do “são todos iguais”.

    É para isto que estas pessoas estudam tanto a política, para se venderem?

    Se há ideias que não respeito são estas da hipocrisia, vender-se ao inimigo como o derradeiro ato de cobardia.

    Já o Fernando Pessoa falava da podridão da sociedade em Portugal nos seus poemas,aqui está o contágio, afinal somos todos portugueses!

    Nuno Santos

    Outras Notícias