Militares portugueses distinguidos com Medalha de Honra das Nações Unidas

09 Set 2019 / 21:35 H.

Os 180 militares portugueses que constituem a Força de Reação Rápida da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA) foram condecorados com a Medalha de Honra das Nações Unidas, foi hoje anunciado.

“Os 180 elementos da Força de Reação Rápida portuguesa receberam a Medalha de Honra das Nações Unidas em 09 de setembro em M’poko, Bangui. Como é tradição nas missões de paz, os militares receberam esta distinção ao fim de seis meses de serviço bem efetuado na República Centro-Africana”, refere a MINUSCA, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Segundo a informação, esta distinção recompensa a “coragem e o mérito” dos militares portugueses na procura da paz no país africano.

“A sessão solene de condecoração foi presidida pelo Representante Especial das Nações Unidas e líder da MINUSCA, Mankeur Ndiaye, na presença de outras personalidades, incluindo representantes das missões e dos corpos diplomáticos”, frisa o documento.

A 5.ª Força Nacional Destacada (FND) está prestes a terminar a sua missão, iniciada em 11 de março deste ano, sendo em breve substituída pela 6.ª FND, que será constituída, na sua maioria, por paraquedistas, que também vão assumir a missão de Força de Reação Rápida.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O Governo centro-africano controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Um acordo de paz foi assinado em Cartum, capital do Sudão, no início de fevereiro pelo Governo e por 14 grupos armados. Um mês mais tarde, as partes entenderam-se sobre um governo inclusivo, no âmbito do processo de paz.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da MINUSCA, cujo 2.º comandante é o major-general Marcos Serronha, onde agora tem a 5.ª FND e militares na Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana, cujo 2.º comandante é o coronel Hilário Peixeiro.

A 5.ª FND, que tem a função de Força de Reação Rápida, integra 180 militares do Exército, na sua maioria elementos dos Comandos (22 oficiais, 44 sargentos e 114 praças, das quais nove são mulheres), e três da Força Aérea.

Tópicos

Outras Notícias