Surto de dengue nas Filipinas já fez mais de 800 mortos desde Janeiro

20 Ago 2019 / 11:24 H.

A epidemia de dengue nas Filipinas contabiliza já 807 mortos desde o início do ano e cerca de 188.500 contágios, ou seja, mais do dobro do registado no mesmo período de 2018, segundo os últimos dados oficiais.

Entre 1 de janeiro e 3 de agosto registaram-se 188.562 casos, com uma taxa de mortalidade de 0,3%, a mais elevada do Sudeste asiático, de acordo com o último relatório de monitorização de surtos, publicado pelo Departamento de Saúde do Governo filipino.

A faixa etária mais afetada pela doença, transmitida pela picada do mosquito ‘Aedes Aegypti’ situa-se entre os 5 e os 9 anos, com 43.047 casos, ou seja, 23% do total.

As regiões mais afetadas pelo surto são Calabarzón, Mimaropa, Bicol, Visayas ocidental, Visayas oriental, Mindanao ocidental, Mindanao central e Bangsamoro, onde o limiar de epidemia já foi ultrapassado.

Embora a gravidade da situação não seja igual em todo o país, o Governo filipino declarou o estado de epidemia nacional no início de agosto devido à rápida disseminação da doença, de modo a que todas as agências governamentais estejam alerta.

A epidemia de dengue fez regressar o debate sobre o uso da Dengvaxia, a vacina contra a doença que foi aplicada a mais de um milhão de filipinos numa intensa campanha de imunização realizada entre 2016 e 2017, especialmente nas escolas.

No entanto, em novembro de 2017, o Governo filipino suspendeu o uso dessa vacina depois do fabricante, a empresa farmacêutica francesa Sanofi, ter admitido que tinha efeitos adversos.

O caso tornou-se um escândalo de saúde após a morte de várias crianças imunizadas, embora não tenha sido possível provar a relação direta da Dengvaxia com essas mortes.

Face à gravidade do atual surto, vários médicos e investigadores têm defendido que se volte a apostar na vacina e o próprio Presidente, Rodrigo Duterte, mostrou-se disponível para reconsiderar o uso da Dengvaxia a fim de conter a epidemia.

Outras Notícias