Caracas diz que foram vencidos demónios da guerra com demissão de Bolton

10 Set 2019 / 23:23 H.

O Governo venezuelano considerou hoje que a demissão do conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, é um sinal de que foram vencidos os demónios da guerra.

“Foi [John Bolton] quem mais mentiu e mais dano fez ao nosso povo. A verdade histórica venceu os demónios da guerra”, escreveu o ministro venezuelano de Finanças na sua conta na rede social Twitter.

Tareck El Aissami, que também é vice-presidente para a Área Económica da Venezuela”, frisou ainda que o futuro pertence à população.

“Somos mais os que apostamos na paz. Venceu a verdade”, escreveu numa outra mensagem.

Para o deputado da Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime) Jesus Faria, a demissão de John Bolton é o resultado da política desastrosa dos Estados Unidos da América.

Dirigente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo), lusodescendente e ex-ministro de Comércio Externo da Venezuela, Jesus Faria explicou aos jornalistas que as políticas norte-americanas têm desencadeado mudanças desnecessárias e trouxeram novos conflitos ao mundo.

“A nós não nos abre nenhuma esperança positiva [a demissão de Bolton]. Eles têm demasiados genocidas para encarregar-se desse cargo. No entanto, a nossa esperança está em chegar a um acordo, em poder dialogar”, frisou.

Já o presidente da Assembleia Nacional, onde a oposição está em maioria, a saída de John Bolton “é uma decisão soberana dos Estados Unidos”.

“Agradecemos-lhe tudo o que fez pela causa democrática venezuelana. Era uma pessoa comprometida com a Venezuela e com a democracia na região e no mundo”, disse aos jornalistas Juan Guaidó.

Segundo o opositor, o afastamento de Bolton não representa um risco para o apoio internacional que a Venezuela e a oposição têm tido.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou hoje a demissão de John Bolton, o seu conselheiro de Segurança Nacional, alegando fortes discordâncias “com muitas das suas sugestões”.

Donald Trump anunciou a demissão de Bolton na sua conta pessoal na rede social Twitter, agradecendo-lhe os seus préstimos, mas reconhecendo a incapacidade para continuar a lidar com os desencontros de ideias.

“Discordo totalmente de muitas das suas sugestões”, escreveu Trump, no Twitter, acrescentando que deverá nomear um novo assessor de Segurança Nacional na próxima semana.

John Bolton, 70 anos, foi assessor de dois outros presidentes Republicanos, George H. W. Bush e Ronald Reagan, tendo sido nomeado conselheiro de Segurança Nacional de Trump em março de 2018.

Outras Notícias