Bispos franceses aprovam compensações financeiras a vítimas de pedofilia

09 Nov 2019 / 15:13 H.

Os bispos católicos franceses votaram hoje o pagamento de compensações financeiras para as vítimas de pedofilia cometida pelos padres, mas os moldes finais de atribuição de fundos serão apenas conhecidos em abril do próximo ano, foi hoje divulgado.

Reunidos em Lourdes, no sudoeste de França, cerca de 120 bispos franceses votaram “muito largamente” em favor da atribuição dessas compensações, que passam por “uma soma de dinheiro única e total” em “reconhecimento do sofrimento” das vítimas, anunciou à imprensa o presidente da Conferência dos Bispos de França (CEF), Eric de Moulins-Beaufort.

O também arcebispo de Reims afirmou, citado pela AP, que os pagamentos irão reconhecer também “o silêncio, a negligência, a indiferença, a falta de acção e as más decisões ou disfunções dentro da Igreja”.

Citado pela agência France Presse (AFP), o responsável explicou que a compensação “não é nem uma indemnização que depende da justiça” francesa “ou da justiça canónica, nem uma reparação”.

O montante será proposto aos bispos no seu próximo encontro em Lourdes, em Abril.

As vítimas de agressões abrangidas pelas compensações hoje aprovadas são aquelas em que os processos judiciais já estão prescritos, sendo que para as vítimas com processos ainda em curso o pagamento será feito depois.

O fundo de dotação será alimentado por “bispos, padres culpados enquanto estejam vivos, e pelos fiéis que nos entendam ajudar”, sublinhou Eric de Moulins-Beaufort.

As medidas de reparação eram há muito esperadas pelas vítimas, sobretudo quando os processos estão prescritos. Na quinta-feira, em Lourdes, quatro vítimas manifestaram-se contra um ato financeiro que não reconhece “a responsabilidade da Igreja”, um ponto que consideram essencial.

François Devaux, presidente de uma associação de vítimas de abusos sexuais perpetrados por membros do clero, afirmou que os pagamentos irão ajudar a compensar o “impacto financeiro colossal” dos abusos sexuais em crianças que, enquanto adultos, passam por dificuldades nas suas vidas profissionais e familiares.

A Conferência de Bispos de França, que decidiu no ano passado em Lourdes votar a criação de uma comissão encarregada de divulgar os crimes de pedofilia desde 1950, considera que deu um “passo significativo” na luta contra a criminalidade relacionada com pedofilia.

De acordo com a agência Associated Press (AP), os bispos votaram hoje a alocação de 5 milhões de euros a esta comissão, e também para apoiar esforços de prevenção da pedofilia.

De acordo com os primeiros elementos divulgados pela comissão independente sobre os abusos sexuais na Igreja francesa, “a maioria dos abusos ocorreram nos anos 1950, 1960 e 1970, muito mais que nas décadas seguintes”.

As vítimas foram sobretudo homens, muito frequentemente menores ao momento dos factos, disse na quinta-feira o presidente da comissão Jean-Marc Sauvé, depois de cinco anos de trabalho, mencionando ainda que a gestão dos casos, à data, “falhou frequentemente”.

Outras Notícias