Renovada Escola Secundária do Porto Santo passa no ‘teste’ de satisfação

17 Set 2019 / 14:44 H.

O secretário regional de Educação, Jorge Carvalho esteve hoje no Porto Santo, para ver ‘in loco’ as condições das diversas escolas da ilha, para ano lectivo 2019/20.

Aquando da visita à Escola Secundária Professor Francisco Freitas Branco, que foi completamente remodelada, o governante disse ao DIÁRIO, que, “esta é uma visita para assinalar a abertura do ano lectivo, mas este ano, assinala também a abertura das novas instalações desta escola”.

A obra em causa “foi um compromisso que o Governo Regional assumiu no início do mandato, que hoje se concretiza e, como tivemos oportunidade de constatar, é uma escola que satisfaz, a comunidade educativa, porque vem criar melhores condições de aprendizagem aos nossos alunos nas mais diversas áreas do conhecimento” disse Jorge Carvalho.

O governante salientou ainda o aspecto das condições que a “nova” infra-estrutura passou a ter: “tem novos espaços que foram aqui criados, são espaços de excelência”.

Relativamente à utilização de tablets, o secretário regional de Educação, frisou “aquilo que tem sido o sentimento que nós temos sentido em outras escolas, o mesmo aconteceu aqui: e é uma grande satisfação por parte dos alunos, por essa nova ferramenta, mas também dos docentes e famílias, porque os alunos deixam de ter que transportar uma quantidade de livros como até aqui faziam”.

“Os professores também ficam com uma outra ferramenta de trabalho, que lhes permite estar mais adaptados à modernidade”, disse ainda o governante, realçando ser “com enorme satisfação que aqui estamos diante de um compromisso assumido com a população do Porto Santo, que era uma “nova” escola básica e secundária e também na extensão deste novo projecto que é o de desmaterializar a sala de aula através da introdução dos manuais digitais e dos tablets”.

O DIÁRIO pôde constatar que por parte dos alunos existe um agrado pela renovada infra-estrutura, por parte dos professores também, embora apontem algumas melhores soluções, nomeadamente no calor nas salas de aula.

Outras Notícias