Pedro Ramos critica estratégia nacional para a saúde

O secretário teme que as políticas actuais possam comprometer os indicadores daqui a quatro ou cinco anos

23 Jul 2019 / 14:55 H.

A taxa de mortalidade infantil na Madeira é a mais baixa do país, é de 2,1%, mas Portugal tem das mais elevadas (3,2%) e aumentou recentemente na sequência do que Pedro Ramos definiu como “má estratégia” que existe a nível nacional na área da saúde. “A área materno-infantil é um problema, temos que resolver para que esses indicadores voltem à normalidade”, alertou esta manhã, durante a visita ao Hospital dos Pequeninos, uma iniciativa de sensibilização para as crianças, a decorrer no Museu da Imprensa Madeira, em Câmara de Lobos, até sábado.

“Nos temos de tomar cuidado com as medidas que estão a ser implementadas ou que não estão a ser implementadas, de forma a que daqui a quatro cinco anos os indicadores de saúde que Portugal ostenta e que são satisfatórios não rocem o negativismo, que pode resultar da falta de acessibilidade, da falta de qualidade e da falta de segurança”, afirmou o secretário.

A Madeira tem uma taxa de cobertura de vacinação é superior aos 98% no conjunto das 12 vacinas incluídas no Plano de Vacinação, e a taxa de cobertura na saúde materno-infantil é total na Madeira, assim como a acessibilidade às vacinas, assegurou Pedro Ramos, garantindo que o Serviço Regional de Saúde (SESARAM) não tem atravessado aos problemas nesta área que o Sistema Nacional tem. Apesar de não ter as condições ideais, disse, tem procurado criar condições para que os problemas não sejam uma realidade cá, como o pagamento do subsídio de fixação dos médicos e remuneração adicional do Serviço de Urgência.

De ano para ano, revelou ainda o secretário, aumenta a percentagem dos que foram alunos de Medicina na Madeira e que regressam para trabalhar no Serviço Regional da Saúde, sendo que parte dos jovens médicos que estão a trabalhar no SESARAM já foram alunos da Universidade da Madeira. Em relação a 2018, da percentagem de alunos que estudou na Madeira e completou o curso no Hospital de Santa Maria, 50% estão a trabalhar com SESARAM, o que demostra na opinião de Pedro Ramos que a estratégia funciona e é para continuar.

Ontem na visita ao Hospital dos Pequeninos, onde as crianças podem levar os seus brinquedos para serem tratados e assim perder o medo de ir a um, o secretário defendeu a divulgação neste espaço de informações como o acesso aos cuidados de saúde, a importância de ter hábitos saudáveis, a prevenção de doenças transmissíveis e a vacinação.

Disse que o Hospital improvisado está bem organizado, fala em todas as áreas, este ano com a novidade de incluir também a demonstração de como funciona a comunicação no socorro pré-hospitalar.

O Hospital dos Pequeninos é promovido por um grupo de jovens que estão a tirar o curso de Medicina e que envolve alunos deste curso, assim como de enfermagem e farmácia. A iniciativa representa para o secretário regional uma prova de que estes jovens estão preocupados com a humanização nos cuidados de saúde.