Paula Cabaço acredita que Thomas Cook encontrará um financiador

17 Set 2019 / 14:23 H.

“É melhor analisar num espaço alargado do que apenas um mês”. A secretária regional do Turismo e Cultura falava, esta manhã, à margem da apresentação do Festival de Órgão da Madeira, sobre os dados lançados pela Direcção Regional de Estatística, ontem, que dão conta de uma nova descida, em Julho, de turistas provenientes do Reino Unido, dos principais motores da economia regional, na ordem de 16,4%; e da quebra de 2,6% oriunda do mercado alemão.

Paula Cabaço encontra as principais razões para a queda do turismo inglês, relacionadas com o Brexit, verificando-se “uma maior retracção na procura” e, ao mesmo tempo, “uma maior sensibilização nos preços”. Já para o decréscimo alemão, a secretária regional acredita que são “impactos decorrentes da falência da Germania”.

Por outro lado, Paula Cabaço lembra que “crescemos no continental e estamos a recuperar no mercado francês”.

Sobre a eminência de falência da Thomas Cook, dos maiores operadores turísticos para a Região, Paula Cabaço acredita que a empresa vai conseguir encontrar um parceiro que suporte o crédito que o operador procura neste momento : “Estamos a falar de um grande operador que vende o destino Madeira em vários mercados. A falência é algo que nos preocupa”. Paula Cabaço contou que, na semana passada, esta questão tinha ficado ultrapassada e, por isso, acredita que a Thomas Cook consiga dar a volta: “Temos contactos diários com o operador (...) O operador não faliu ainda”, garantiu.

Paula Cabaço lembrou ainda que a secretaria regional tem apostado numa “diversificação de mercados” turísticos, como com a campanha recentemente anunciada para o norte-americano: “Temos um plano de marketing em vários mercados”, asseverou.