Grande Dicionário Enciclopédico da Madeira reúne 500 autores e elenca 600 anos de História

05 Fev 2017 / 10:36 H.

Uma equipa de 500 autores, coordenada pelo historiador José Eduardo Franco, está a produzir o Grande Dicionário Enciclopédico da Madeira, uma obra em dez volumes que pretende elencar todo o conhecimento até hoje produzido sobre o arquipélago.

“O propósito desta obra é, 100 anos depois da publicação do Elucidário Madeirense, atualizar todo o conhecimento sobre a Madeira, seguindo a mesma filosofia: uma obra tipo dicionário, rigorosa, com entradas organizadas por ordem alfabética”, disse à agência Lusa a coordenadora científica do projeto, Cristina Trindade.

O primeiro dos dez volumes, com a chancela da Imprensa Nacional - Casa da Moeda, deverá ser publicado no final deste ano. A edição prosseguirá à média de dois volumes por ano até 2020, de modo a enquadrar o projeto nas comemorações dos 600 anos da descoberta da Madeira, que se assinala em 2019.

Cristina Trindade explicou que o Grande Dicionário “atualiza, aprofunda e corrige” algumas informações e imprecisões contidas no Elucidário Madeirense, uma obra também de cunho enciclopédico publicada em 1921 e revista pela última vez nos anos 40 do século XX.

“O mundo mudou muito nos últimos cem anos, pelo que há que acrescentar muito àquilo que foi feito no Elucidário”, salientou a coordenadora científica do projeto, que nasceu no espaço do programa “Aprender Madeira”, orientado pela Agência de Promoção da Cultura do Atlântico.

A equipa de 500 colaboradores está dividida por 30 áreas do conhecimento e a maioria dos coordenadores é de origem madeirense ou está ligada à Universidade da Madeira.

O projeto conta também com colaboradores em diversos países, no sentido de valorizar a informação respeitante à diáspora, e, por outro lado, será traduzido para inglês e espanhol, para que os emigrantes que já não falam a língua materna tenham a possibilidade de aceder a este repositório de informação.

Até ao momento, já foram produzidas e revistas 14 mil páginas e também foi editado um volume de apresentação, mas o primeiro tomo - da letra A à letra C - só deverá sair no final deste ano.

A edição online do Grande Dicionário Enciclopédico da Madeira já dispõe, no entanto, de 600 entradas.

“Este era, claro, um trabalho que faltava fazer”, sublinhou Cristina Trindade, vincando que a obra está “comprometida com a verdade histórica e com a obrigatoriedade de se referenciar tudo o que se souber”, de modo a poder afirmar-se como a “primeira instância a partir do momento em que se queira saber qualquer coisa sobre qualquer área ao nível da Madeira”.

Paralelamente à produção da obra, foi organizado um ciclo de debates em parceria com a Câmara Municipal do Funchal, intitulado Conferências do Teatro, onde os temas em análise correspondem a entradas do Grande Dicionário Enciclopédico da Madeira.

Tópicos

Outras Notícias