“Esta era uma obra que tinha de estar concluída antes do início das aulas”

Visita de Albuquerque à conclusão da obra do novo túnel da ribeira de João Gomes juntou trabalhadores, patrões, engenheiros, governantes e ex-governantes

18 Set 2019 / 13:39 H.

O presidente do Governo Regional já iniciou a visita à conclusão da obra de ligação entre a Rua da Ribeira de João Gomes e o Campo da Barca, no Funchal, que será reaberta a meio da tarde desta quinta-feira, depois de um banquete que será oferecido aos trabalhadores pelo consórcio Afavias/Construtora do Tâmega.

Apesar de se tratar de uma visita não oficial do presidente do Governo Regional, não faltaram ao encontro várias figuras ligadas ao actual executivo, como o vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, o secretário regional dos Equipamentos e Infra-estruturas, Amílcar Gonçalves, mas também do anterior executivo, como Sérgio Marques, secreatário regional dos Assuntos Parlamentares (pasta das Obras Públicas) ou ainda do governo presidido por Alberto João Jardim como o ex-secretário do Equipamento Social, Santos Costa, aos quais se juntou ainda o presidente da Junta de Freguesia de Santa Luzia, José Rodrigues, às demais entidades ligadas à construção civil como Avelino Farinha, patrão da Afavias, uma das empresas do consócio responsável pela execução da obra.

No discurso breve, Miguel Albuquerque explicou que esta era uma obra que “tinha de estar concluída antes do início das aulas” e agradeceu às empresas envolvidas, assim como aos respectivos trabalhadores, encarregados e engenheiros por todo o empenho demonstrado nesta obra. O presidente destacou o arquitecto Paulo David, autor do “desenho magnífico”, louvando o esforço e o talento demonstrado neste projecto.

“Esta é mais uma obra importante em termos de segurança para as populações e para o desenvolvimento da Madeira e do Funchal”, sublinhou.

Miguel Albuquerque chegou na viatura oficial, acompanhado do Adjunto da Presidência do Governo Regional e cumprimentou os presentes, entre engenheiros, dirigentes, projectistas e demais trabalhadores das empresas de construção civil envolvidas na empreitada.

No programa (não oficial) consta um almoço/convívio com os funcionários e dirigentes do consórcio envolvido nesta obra de 16,3 milhões de euros.

Embora a deslocação de Miguel Albuquerque à empreitada agora concluída reuna todos os ingredientes de uma inauguração, nada consta da agenda oficial da Quinta Vigia nem tal iniciativa foi comunicada publicamente pela Presidência do Governo Regional, ao contrário de outros dois actos em que o chefe do executivo madeirense estará presente.

Recorde-se que os trabalhos visaram essencialmente a construção de estruturas porticadas em betão armado, com vãos entre os 13,5 metros e 17,5 metros, de forma a proteger as três vias da faixa de rodagem existentes.

A estrutura porticada da margem direita da Ribeira de João Gomes, com uma extensão de 231 metros, está ligada ao Túnel Pestana Júnior existente, o qual apenas sofreu intervenção no âmbito da iluminação e alguma sinalização de segurança, passando este a ter uma extensão total de 460 metros. Na margem esquerda da Ribeira de João Gomes, a estrutura porticada executada tem um total de 110 metros e sustenta duas consolas com 7,5 metros de vão.

Sobre a cobertura das estruturas seguir-se-á a colocação da camada de amortecimento para a protecção contra a queda de blocos, composta por conjuntos modulares de camadas de pneus sobrepostos e intercalados com malha de aço de alta resistência, explica a SREI.

Foram ainda executados trabalhos de drenagem, pavimentação, sinalização e iluminação (que incluem a remodelação total da iluminação do Túnel Pestana Júnior).

A empreitada é cofinanciada pelo PO-SEUR (85%) e foi adjudicada ao consórcio externo constituído pelas empresas Afavias – Engenharia e Construções, S.A. e Construtora do Tâmega Madeira, S.A., pelo valor de 16.321.608,96 euros (já com IVA incluído).

Outras Notícias