Paula Cabaço defende reforço das parcerias na área da cultura

18 Jul 2019 / 12:16 H.

“As parcerias na área da cultura, tendentes a reforçar o conhecimento acerca da nossa história e evolução, são para continuar e aprofundar no futuro”.

A garantia foi deixada, ontem, pela Secretária Regional do Turismo e Cultura, Paula Cabaço, na apresentação do livro ‘Memória e identidade Insular – Religiosidade, Festividades e Turismo, nos Arquipélagos da Madeira e Açores’, uma obra que resulta da colaboração entre o Centro de Estudos de História do Atlântico – Alberto Viera (CEHA) e o Centro de Humanidades, com ligações à Universidade Nova de Lisboa e à Universidade dos Açores.

Na ocasião a governante valorizou também a importância da maior aproximação entre os arquipélagos da Madeira e dos Açores, de modo a “aprofundar o conhecimento acerca de realidades insulares que têm pontos em comum e, também, ligações que devem ser conhecidas, partilhadas e, também, projectadas para o futuro”.

A obra, apresentada pela professora catedrática Maria Beatriz Pinto de Sousa Amorim Rocha-Trindade, detentora de um vasto trabalho, sobretudo, no campo das migrações internacionais, esteve recentemente em destaque, no II Colóquio de ‘Memória e Identidade Insular’, que se realizou entre os dias 1 e 5 de Julho, no Arquipélago dos Açores.

De referir que o livro ‘Memória e identidade insular – Religiosidade, Festividades e Turismo, nos Arquipélagos da Madeira e Açores’ foi coordenado pelo investigador madeirense do CHAM, Duarte Chave, autor que já ganhou o Prémio Lusitânia – História de Portugal e reúne textos de cerca de 40 investigadores, de várias universidades.

Este “trabalho em rede, de diálogo alargado entre várias áreas da investigação” foi elogiado por Paula Cabaço, dado contribuir “não só para o crescimento do saber, como também para um melhor conhecimento sobre a história insular”.

Esta obra abre ainda com um caderno especial ‘In Memoriam’ ao Professor Doutor Alberto Vieira, estando organizada em cinco grandes núcleos. O primeiro é dedicado ao Turismo, cultura e religião – Dimensões locais e Diáspora; o segundo à Arte, Devoção e fé - Contributos para a preservação da memória coletiva; o terceiro que abrange a Devoção, as Tradições e a Identidade; o quarto dedicado à Literatura, as viagens e aos viajantes e, finalmente, o quinto, com um último capítulo intitulado ‘Para um roteiro do património insular construído’.

Outras Notícias