Mais de 4 mil pessoas manifestam-se na Catalunha contra as cargas policiais

02 Out 2017 / 14:10 H.

Cerca de 4 mil pessoas concentraram-se hoje ao final da manhã em Girona em protesto contra a intervenção e as cargas policiais na jornada de referendo, no domingo, na Catalunha, indicaram a Polícia Local e os Mossos d’Esquadra.

Os manifestantes gritaram palavras de ordem a favor da independência da Catalunha na Praça del Vi, onde está a câmara municipal de Girona. No epicentro do protesto estavam os Bombeiros da Generalitat (Governo regional), ovacionados pelos presentes.

No decorrer da jornada do referendo, no domingo, os bombeiros catalães envolveram-se em confrontos com a polícia nacional espanhola e a Guarda Civil, chamados para impedir a votação face à inacção da polícia regional, os Mossos d’Esquadra.

Os bombeiros tentaram impedir as cargas policiais sobre os cidadãos que pretendiam votar, acontecimentos registados pelas câmaras dos meios de comunicação social espanhóis e internacionais.

A presidente de Câmara (alcaldesa) Marta Madrenas, (Partido Democrático Europeu da Catalunha) liderou a representação municipal, enquanto que o delegado da Generalitat na província, Eudald Casadesús, encabeçou a comitivida do governo regional.

Madrenas apelou a todos os presentes e aos restantes cidadãos para que se juntem à greve geral convocada para terça-feira. A Câmara de Girona, referiu, também vai estar parada, para “estar ao lado do povo”.

A justiça espanhola considerou ilegal o referendo pela independência convocado para domingo pelo governo regional catalão e deu ordem para que a polícia regional fechasse os locais de votação.

Face à inação da polícia regional, os Mossos d’Esquadra, em alguns locais, foram chamadas a Guardia Civil e a Polícia Nacional espanhola. Foram estes corpos de polícia de âmbito nacional que então protagonizaram os maiores momentos de tensão para tentar impedir o referendo.

A Guardia Civil e a Polícia Nacional espanhola realizaram cargas policiais e entraram à força em várias assembleias de voto que tinham sido ocupadas por pais, alunos, residentes e cidadãos em geral numa tentativa de garantir que os locais permaneceriam abertos.

Estas forças retiraram pessoas que ocupavam locais de votação, tendo mesmo ocupado o pavilhão desportivo da escola em Girona onde deveria votar o líder da Generalitat, Carles Puigdemont.

Os confrontos provocaram -- segundo a Generalitat -- mais de 890 feridos, 250 dos quais na região de Girona. As autoridades não especificaram quantas pessoas assistidas sofreram feridas físicas.

A Diocese de Girona também condenou hoje a “violência que está a sofrer o povo da Catalunha”, numa referência aos “graves incidentes” de domingo.

A nota da diocese liderada pelo Bispo de Girona, Francesc Pardo, critica ainda “o tratamento sofrido por muitos cidadãos que quiseram expressar livre e pacificamente a sua opinião”.

“A resistência não se resolve com violência, mas sim com um diálogo sincero e pacífico”, realça.