O ministro Shaüble persegue-nos

20 Mar 2017 / 02:00 H.

    O ministro alemão das Finanças sofre dum complexo de perseguição contra Portugal. Já é a 3ª vez que volta a agitar o espantalho de nova ‘ajuda financeira’ (a juros agiotas) :« Portugal deve certificar-se se precisa de novo resgate». Repugnante! Sem austeridade de garrote atingiu-se 2,1% no deficit, 2% de saldo primário positivo e diminuição de 1% na dívida liquida - os números falam por si. Anteriormente, o figurão teve o desplante:« o anterior executivo,

    Portugal ia bem, mas com este não»(!). Persegue e quer acabar com o Governo de António Costa pelas piores razões ideológicas, porque este não genuflecte e por ter rasgado o programa

    anterior - «não há alternativa à austeridade». O dueto Merkel/Shaüble está furibundo porque se implementou uma política de devolução de rendimentos.

    A troika, com a Alemanha ao leme, autocritica-se relativamente às medidas de austeridade que nos impôs mas contradiz-se ao preconizar mais corte e ao considerar um «aumento incomportável» no salário minimíssimo nacional. O fundamentalismo ideológico exponenciado desta gentalha tem nome - esquizofrenia!

    Estamos fartos desta trampa económica!

    Vítor Colaço Santos