Portugal IN promove destino apelativo para instituições financeiras de gestão de activos

Estrutura governamental é presidida por Bernardo Trindade

17 Set 2018 / 10:07 H.

A Portugal IN, Estrutura de Missão governamental que tem como desígnio promover a atracção de investimento que pretenda permanecer na União Europeia na sequência do Brexit, faz esta manhã uma apresentação pública de Portugal como destino para Instituições Financeiras de Gestão de Activos.

O organismo presidido pelo madeirense Bernardo Trindade dará a palavra ao Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes e ao Presidente da APFIPP, José Veiga Sarmento. A apresentação das Novas Medidas de Simplificação estão a cargo de Hélder Rosalino, Administrador do Banco de Portugal e Filomena Oliveira, Vice-Presidente do Conselho de Administração da CMVM.

O encontro decorre no Palácio Foz (Sala dos Espelhos), Praça dos Restauradores, em Lisboa.

A Portugal IN trabalha para promover e dinamizar as características e valores nacionais e europeus como factores de competitividade; identificar oportunidades de atração de investimento; construir soluções integradas de investimento apelativas para o investidor estrangeiro e identificar e ultrapassar barreiras e constrangimentos na implementação de projectos de investimento. A Portugal IN tem como objectivo fortalecer o tecido empresarial e o crescimento económico em todo o território nacional, dando visibilidade a cada uma das suas regiões como polos de atração de investimento direto estrangeiro.

Uma das apostas da Portugal IN é afirmar Portugal como um destino apelativo para Instituições Financeiras de Gestão de Activos. Este trabalho tem sido desenvolvido no âmbito de um grupo, que reúne o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e a Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP).

“Criou-se um pacote de medidas de simplificação para os processos de registo de sociedades gestoras, tais como eliminação de passos administrativos, aceitação de documentos em inglês, instituição de um single contact point para tramitação do processo e implementação de um manual de boas vindas às sociedades gestoras estrangeiras que querem registar-se em Portugal. O objectivo é criar condições para que estas sociedades que pretendam instalar-se em Portugal, nomeadamente no âmbito de processos de deslocalização decorrentes da saída do Reino Unido da União Europeia, disponham de acessos fáceis a informação clara quanto aos procedimentos exigidos para operarem no país”, refere Bernardo Trindade.