Conselho do turismo recomenda aposta no Japão, Coreia, Índia, Austrália e Sudoeste asiático

Lisboa /
16 Jan 2020 / 14:39 H.

A diversificação de mercados e digitalização, reforço da acessibilidade aérea e mobilidade interna e alargamento dos benefícios do turismo a todo o território são os objetivos centrais apontados pelo Conselho Estratégico para a Promoção Turística Externa (CEPT) para 2020.

Reunido esta semana no Ministério da Economia sob presidência do ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o CEPT considerou que “o esforço promocional em 2020 deverá ser alargado a novos mercados como Japão, Coreia, Índia (onde o Turismo de Portugal, I.P. se prepara para abrir uma delegação), Austrália e Sudoeste asiático”.

“Também a segmentação da promoção será alvo de particular atenção, o que se refletirá no desenvolvimento de campanhas específicas para alguns mercados e produtos”, sustenta o ministério em comunicado, referindo que “a redução do impacto ambiental da atividade turística, com a aposta na mobilidade interna através de pacotes turísticos sustentáveis, merece também destaque”.

“É necessário continuar a estimar e a preservar o turismo. Há mercados, segmentos e oportunidades que nos permitem continuar a crescer sustentavelmente. Destacaria que temos um grande potencial de crescimento em produtos em rede e em oferta de base colaborativa”, enfatizou Pedro Siza Vieira na sua intervenção na reunião do CEPT.

No encontro, a atual organização regional do turismo “foi destacada como fator de competitividade regional”, entendendo-se que “uma eventual participação de outros ‘players’ regionais” deve “ser alvo de prévia e aprofundada ponderação”.

Segundo se lê no comunicado, “a atividade turística deve estar alinhada com a Agenda 2030 da ONU [Organização das Nações Unidas] e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, uma preocupação partilhada por todo o setor que, cada vez mais, deve estar focado no trabalho em rede entre Turismo de Portugal; I.P., Agências Regionais de Promoção Turística (ARPT’s) e Entidades Regionais de Turismo (ERT’s) e entre as regiões”.

Ainda destacada na reunião foi “a necessidade do reforço da participação da iniciativa privada na promoção externa regional e do alinhamento entre dos planos regionais e a Estratégia Turismo 2027”.

Também presente no encontro, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, realçou “a importância do desenvolvimento de um ecossistema digital entre o Turismo de Portugal, I.P. e as agências regionais, a capacitação das equipas regionais e o reforço do envolvimento dos privados na promoção”.

O CEPT é a estrutura consultiva do Governo em matéria de promoção turística externa e de concertação estratégica, sendo constituída por representantes do Turismo de Portugal, I.P., dos governos regionais da Madeira e dos Açores e do setor privado, através da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), das ARPT’s e das ERT’s.