Cientistas descobrem mecanismo nas células que gera músculo saudável

07 Jul 2018 / 11:28 H.

Uma equipa de cientistas, liderada pelo português Edgar Gomes, identificou um mecanismo nas células que permite gerar um músculo saudável, descoberta que perspectiva novos tratamentos para distrofias musculares, foi hoje divulgado.

“Observámos que há umas células [não musculares], os miofibroblastos, que se aproximam da célula muscular e depositam uma proteína, a fibronectina, que desencadeia um sinal dentro da célula muscular que estimula o movimento do núcleo do centro da célula para a periferia”, descreveu à Lusa Edgar Gomes, investigador do Instituto de Medicina Molecular (IMM) João Lobo Antunes.

Nas pessoas com lesões ou doenças musculares, o posicionamento do núcleo na periferia das células musculares, que são as maiores do corpo, não está correto.

No estudo, cujos resultados foram publicados na revista científica Developmental Cell, o grupo de investigadores debruçou-se sobre o músculo estriado esquelético, “o que existe em maior abundância no corpo” e que permite executar movimentos e exercer força, explicou Edgar Gomes.

Os cientistas diferenciaram no laboratório células musculares obtidas de ratinhos e socorreram-se da microscopia para acompanhar “a dinâmica do processo”.

Segundo Edgar Gomes, que coordena o laboratório de Arquitectura Celular do IMM, proteínas como a fibronectina “podem agora ser potenciais alvos” para novas terapias para as distrofias musculares, doenças musculares hereditárias.