Resultados do ADN de Savimbi são inequívocos

20 Mai 2019 / 23:50 H.

O presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses de Portugal considerou hoje que os resultados dos testes de ADN às amostras dos restos mortais do líder histórico da UNITA, Jonas Savimbi, são “inequívocos”.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Corte Real, que representou o instituto na cerimónia de entrega dos resultados ao Governo angolano, que decorreu hoje em Luanda, salientou que o valor de probabilidade é “muitíssimo elevado”, atingindo os 99,99999999999999999%.

“O valor a que se chegou foi a 99 vírgula dezassete noves. Veja o grau de segurança obtido neste resultado. Em genética forense nunca se chega a 100%, é impossível chegar a 100%. Agora, um resultado desta dimensão é absolutamente inequívoco”, afirmou.

Segundo Francisco Corte Real, para a obtenção dos resultados muito contribuiu a circunstância de haver vários familiares com quem foi feita a comparação, razão também pela qual se tornaram “inequívocos”.

“Têm um valor de probabilidade muitíssimo elevado, que não deixam dúvidas quanto à identificação que estava em causa”, frisou.

Segundo o presidente do Instituto de Medicina Legal e Ciências Forenses português, os resultados demoraram pouco mais de um mês a serem definidos, referindo que a antiguidade das amostras - 17 anos - levanta “alguns problemas” do ponto de vista técnico, implicando “algumas repetições”, situação “normal” nestes casos.

Francisco Corte Real destacou, por outro lado, a “transparência” de todo o processo, elogiando as autoridades angolanas pela forma como permitiram que os trabalhos decorressem com independência e sem interferências.

“Gostava de realçar a transparência com que este processo foi feito. Não é comum a nível internacional que, um país, com total transparência, solicite a colaboração de outras instituições de outros países que, com total independência, trabalharam de forma completamente autónoma e que apresentaram aqui os resultados pela primeira vez”, sublinhou.

“Os resultados não foram enviados previamente. Foram aqui abertos e entregues. Isto demonstra transparência e é de elogiar, porque nem sempre os países atuam desta forma, permitindo que haja uma contraprova num país estrangeiro com total transparência e independência”, acrescentou.

Francisco Corte Real assumiu também que o processo é “prestigiante” para o instituto a que preside, da mesma forma que o é “para todas as partes”.

Jonas Savimbi, líder fundador da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), foi morto em combate pelas forças armadas governamentais em 22 de fevereiro de 2002, na comuna do Lucusse, província do Moxico, e o seu corpo esteve desde então sepultado no cemitério municipal do Luena, capital da província.

Os restos mortais de Savimbi foram exumados em 31 de janeiro deste ano, tendo a família, a UNITA e o Governo determinado a realização de testes de ADN - além do instituto português participaram também entidades de Angola, África do Sul e Argentina -, que hoje o Governo e o partido do “Galo Negro” confirmaram todos coincidirem.

Hoje à tarde, numa conferência de imprensa, o presidente da UNITA, Isaías Samakuva, indicou que as exéquias fúnebres do líder histórico do partido decorrerão em 01 de junho em Lopitanga, município do Andulo, província angolana do Bié.

Tópicos

Outras Notícias