Guterres condena ataque a mesquita do Afeganistão que matou 62 pessoas

18 Out 2019 / 22:14 H.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou “fortemente” o ataque a uma mesquita na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão, que provocou pelo menos 62 mortos e 36 feridos.

“Os responsáveis por este ataque têm de ser responsabilizados”, afirmou o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

O incidente ocorreu por volta das 14:00 locais (10:30 em Lisboa) em Haska Meyna, uma região que faz fronteira com o Paquistão, segundo um porta-voz da polícia de Nangarhar, Mubarez Attal.

Até agora, o ataque não foi reivindicado, mas os talibãs e o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI) estão ativos no leste do Afeganistão, especialmente na província de Nangarhar.

Dujarric afirmou que o secretário-geral da ONU “mandou as suas condolências às famílias das vítimas e deseja uma rápida recuperação aos feridos”.

António Guterres “reitera a solidariedade das Nações Unidas com o povo e o Governo do Afeganistão”, adiantou Dujarric.

O porta-voz do governador de Nangarhar, Attaullah Khogyanai, indicou que não era “claro se ocorreu devido a um bombista suicida ou a uma bomba”.

Na quinta-feira, um relatório da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA, na sigla em inglês) afirmou que mais de 2.500 civis foram mortos e mais de 5.600 feridos nos primeiros nove meses deste ano.

Outras Notícias