Dois mortos e mais de 40 desaparecidos após colapso de prédio em Bombaim

16 Jul 2019 / 11:47 H.

Um edifício de quatro andares colapsou hoje em Bombaim, na Índia, resultando em dois mortos e deixando várias pessoas presas nos destroços, de acordo com as fontes oficiais.

“Duas pessoas foram declaradas mortas e mais de 40 estão presas nos destroços”, declarou à agência France-Presse um porta-voz da autoridade de gestão de catástrofes na cidade de Bombaim, Tanaji Kamble.

As autoridades estimam que o número de pessoas no prédio se situe entre 40 e 50 pessoas, de acordo com a agência noticiosa EFE.

Uma fonte dos bombeiros, Ashok Talpade, disse que a equipa de resgate conseguiu chegar ao local e salvar três pessoas vivas, incluindo uma criança, levando-as depois para um hospital, tal como noticia a Associated Press.

A criança resgatada foi para casa logo após o tratamento, acrescentou.

O bombeiro acrescenta que o edifício se situa numa rua estreita, numa área congestionada, o que dificultou o processo de buscas, já que as máquinas industriais necesárias para mover os destroços não conseguem lá entrar.

Para auxiliar as buscas, a polícia usou cães farejadores.

Foram transmitidas imagens de televisão onde é possível observar-se várias pessoas a formarem uma corrente para removerem os destroços com as próprias mãos.

“O edifício colapsou, fazendo um grande estrondo e nós pensámos que era um terramoto”, declararam os residentes do bairro onde caiu o prédio ao canal de notícias New Delhi Television.

O edifício tinha 100 anos e no momento da queda viviam 15 famílias, segundo um oficial eleito para o estado de Maharashtra, Devendra Fadanavis.

Um deputado da oposição, Waris Pathan, disse que o edifício era um local perigoso, e as autoridades afirmaram que não tinham dinheiro para reconstruir a infraestrutura.

Ashok Talpade disse que foi pedido às famílias para que se saíssem do prédio há algum tempo, mas eles continuaram a viver ali.

A queda de edifícios é comum na Índia durante a época das cuvas de monção -- que ocorrem entre Junho e Setembro -- quando as chuvas fortes enfraquecem as estruturas dos edifícios precários, muitos construídos de forma ilegal e com falta de manutenção.

No domingo, um prédio de três andares desabou numa região no norte do país, na cidade de Solan, devido às chuvas fortes, fazendo 14 mortos.

Outras Notícias