Taxa turística “é uma tendência inevitável”, diz Eduardo Jesus

Declarações do secretário regional de Turismo e Cultura, na XIII Conferência Anual de Turismo

08 Nov 2019 / 11:15 H.

“É uma tendência inevitável a existência das taxas turísticas e temos verificado que as mesmas acontecem em quase todos os destinos”.

Esta foi a posição assumida por Eduardo Jesus sobre a proposta de haver taxa turística na Região, uma ideia lançada na abertura da XIII Conferência Anual de Turismo (CAT) pelo Presidente da Ordem dos Economistas.

O secretário regional de Turismo e Cultura acrescentou que “o desafio foi lançado”, o vice-presidente do Governo Regional “acolheu essa sugestão como matéria de reflexão e julgo que se iniciou um processo dessa forma”.

Não obstante, ressalva que a proposta da Ordem dos Economistas “terá necessariamente que envolver o sector [do Turismo] e terá de ser uma solução que seja confortável, quer para o sector privado, quer para o sector público”.

Disse ainda que “essa plataforma de entendimento” poderia ser encontrada através da Associação de Promoção da Madeira.

Numa outra nota referiu que a opção pela não adopção de uma taxa turística na Madeira no passado, “deu origem a que alguns municípios se adiantassem”. A seu ver “não há razoabilidade na existência de taxas municipais quando o interesse dessa taxa é reverter esse mesmo montante exclusivamente no sector turístico”, sustentou, dando o exemplo de Lisboa em que as taxas turísticas foram usadas para financiar a Web Summit.

A XIII Conferência Anual de Turismo (CAT), evento organizado pela Delegação Regional da Ordem dos Economistas, que visa debates temáticas do sector mais importante da economia da Madeira, decorre ao longo do dia de hoje, no Centro de Congressos - Casino da Madeira, no Funchal, sob o tema ‘Mercados Emissores’. Eduardo Jesus intervirá na parte da tarde.

Outras Notícias