Número de constituições de sociedades foi superior ao número de dissoluções na Madeira

28 Jan 2020 / 14:55 H.

Segundo os dados fornecidos pela Direcção Geral da Política de Justiça ao INE, em 2019, o número de constituições de sociedades (1 059) com sede na Madeira foi superior ao número de dissoluções (624), resultando num saldo positivo de 435 sociedades.

A mesma fonte adianta que comparativamente a 2018, observaram-se mais 2 constituições e menos 52 dissoluções. De assinalar que, atendendo à série temporal disponível, observa-se que o número de constituições é o mais elevado desde 2005 e que o saldo entre o número de constituições e dissoluções é o maior desde 2009.

Desagregando os dados de acordo com a Actividade Económica das sociedades constata-se ainda que para o saldo global positivo no ano em referência, contribuíram essencialmente o ‘Alojamento, restauração e similares’ (+102), seguido das ‘Actividades de consultoria, científicas, técnicas e similares’ (+67), das ‘Actividades imobiliárias’ (+65) e das ‘Actividades de saúde humana e apoio social’ (+57). Em sentido inverso, as únicas actividades com saldo negativo foram as ‘Actividades financeiras e de seguros’ (-10) e as ‘Indústrias extractivas’ (-1). No período em referência, o número de constituições foi superior ao de dissoluções em dez municípios: no Funchal (702 contra 436), Santa Cruz (114 contra 71), Câmara de Lobos (50 contra 27), Machico (53 contra 30), Calheta (39 contra 18), Ponta do Sol (24 contra 5), São Vicente (22 contra 3), Ribeira Brava (27 contra 13), Porto Moniz (9 contra 2) e Santana (10 contra 5). No município do Porto Santo o número de constituições foi inferior ao de dissoluções (9 contra 14).

No ano de 2019, o rácio entre constituições e dissoluções na RAM foi de 1,70, inferior ao valor observado para o país (2,79).

Reduzindo o âmbito da análise ao 4.º trimestre de 2019, adianta que se registou no mesmo um saldo positivo entre a constituição e a dissolução de sociedades (+26), mantendo-se a tendência observada nos outros três trimestres de 2019. Por actividade, observa-se que o saldo positivo mais pronunciado vem das Actividades imobiliárias’ (+17), seguido do “Alojamento, restauração e similares” (+10) e das ‘Actividades de saúde humana e apoio social’ (+9). Por sua vez, os saldos negativos mais acentuados registaram-se nas ‘Actividades administrativas e dos serviços de apoio’ (-8), no ‘Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos’ (-7) e nas ‘Actividades de informação e de comunicação’ (-6).

Os municípios que mais contribuíram para o valor do saldo global no 4.º trimestre de 2019 foram o Funchal (+16) e São Vicente (+4).