Mensagem religiosa de D. Nuno Brás apela à “Graça divina em cada um de nós”

A eucaristia em honra de Nossa Senhora da Conceição foi celebrada na Sé do Funchal.

08 Dez 2019 / 16:00 H.

O Bispo do Funchal celebrou hoje, na Sé do Funchal, a eucaristia em honra de Nossa Senhora da Conceição.

Na homilia dirigida aos fiéis, D. Nuno Brás apontou três situações que marcam a nossa vida humana e crista, que começa “pela fuga, pela vergonha e pelo medo diante de Deus, pela mentira daqueles com quem vivemos e a quem não raras vezes culpamos pelos nossos erros”.

Perante esta realidade focada na “desordem do mundo”, há quem encontre a “vocação que Deus faz a todo e qualquer ser humano”, simbolizando para muitos a salvação “cheia de Graça”, através da disponibilidade e da escuta que permite à Graça divina “actuar, transformar e converter”.

Na mensagem religiosa, D. Nuno Brás salienta que “não fomos criados para o mal; não fomos criados para o sofrimento; não fomos criados para a desordem”, mas somos criados “para Deus à imagem de Cristo”.

“A nossa vida sobre a terra consiste precisamente na oportunidade que a todos é oferecida de deixar que a Graça divina actue em nós e nos transforme”, transmitiu o Bispo do Funchal.

A solenidade de hoje celebra “a realidade que o nome da saudação angélica expressa: ‘Cheia de Graça’ e preenche plenamente a vida, a existência, o pensamento, o querer, a imaginação, o sentimento e o agir da Virgem de Nazaré”.

Como sucedeu com a Virgem Maria, D. Nuno Brás diz que a Palavra divina quer fazer-se carne; quer fazer-se vida em cada um e assim chegar a tantos outros, que vivem simplesmente os dramas da fuga e da vergonha, ignorando a sua vocação e o desígnio de Deus, convidando os fiéis a “acolher, definitivamente a Palavra divina, a deixar que, como na Virgem Maria, a Palavra dê forma e conteúdo à nossa existência”.

A eucaristia serviu ainda para a tomada de posse dos novos cónegos do Cabido da Catedral do Funchal, composta pelos cónegos Tony, da Paróquia da Boa Nova, Marcos Gonçalves, de São Martinho, Manuel Ramos, de Santa Rita e Rui Ponte, do Caniço