Manifestação pretende medidas como a “declaração de emergência climática”

15 Mar 2019 / 11:43 H.

Carolina Silva, aluna da Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol e uma das dinamizadoras da manifestação de hoje que juntou mais de cem alunos na porta da Assembleia Legislativa Regional, mostrou-se satisfeita com a adesão dos alunos de algumas escolas do Funchal, da Ribeira Brava a da Ponta do Sol.

A aluna do 12.º ano, considera as alterações climáticas um “assunto demasiado importante” que já deveria ter sido tratado há mais tempo pelos governantes, como a “declaração de emergência climática” e espera que esta manifestação alerte para o estado de emergência climática em que vivemos.

O contacto com as outras escolas da Madeira foi feito através das associações de estudantes e da promoção do movimento na Internet e nos jornais.

Carolina diz que já se nota um pouco dos efeitos climáticos na Madeira, sobretudo nas elevadas temperaturas no mês de Março e na falta de chuva benéfica para a agricultura.

No seu entender, serão precisas mais manifestações para mudar alguma coisa, mas se esta tiver o efeito desejado, “já valeu a pena”.

A jovem estudante não tem dúvidas de que é possível mudar as coisas. “Somos a geração que mais sofrerá com estas consequências e é importante manifestarmo-nos agora”, salientou.