Coronavírus País

Ordem pede a advogados que façam teste após caso positivo em tribunal de Leiria

None

A Ordem dos Advogados pediu hoje aos advogados que se tenham deslocado ao Juízo de Instrução Criminal de Leiria que efetuem teste para despistar o novo coronavírus, depois de uma juíza ter testado positivo à covid-19.

Em comunicado, assinado pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, a Ordem refere ter sido informada "de que uma senhora juíza de Direito que esteve de turno ao Juízo de Instrução Criminal de Leiria entre os dias 30 de julho e 06 de agosto testou positivo no dia seguinte à covid-19, tendo prestado o último dia de serviço na referida unidade orgânica" na sexta-feira.

O comunicado adianta que "será, por isso, prudente que os colegas que se tenham deslocado ao Juízo de Instrução Criminal de Leiria neste período efetuem uma testagem ao vírus em ordem a averiguar se foram de alguma forma infetados nesse Tribunal".

"Esta situação demonstra que, conforme temos vindo a salientar, os tribunais não são lugares seguros relativamente à propagação deste vírus, nem sequer em período de férias judiciais", acrescenta Luís Menezes Leitão.

Recomendando que "continuem a adotar as precauções necessárias sempre que se desloquem a Tribunal", a Ordem pede ainda aos advogados que, "caso encontrem alguma situação de risco", informem para o endereço eletrónico [email protected]

À agência Lusa, o juiz presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Leiria, António Ascensão Ramos, disse que "a Autoridade de Saúde foi avisada e dado conhecimento das pessoas que tiveram contacto com a senhora juíza".

"Não há conhecimento de mais casos, neste momento, no Tribunal Judicial de Leiria", esclareceu António Ascensão Ramos, realçando que "continuam a ser aplicadas todas as medidas de segurança decorrentes da pandemia".

Segundo o último boletim da Comissão Distrital de Proteção Civil, divulgado às 00:10 de hoje, o concelho de Leiria regista, desde o início da pandemia, em março do ano passado, 8.308 casos de covid-19, mantendo-se 282 ativos.

Neste período, recuperaram da doença 7.857 pessoas, havendo ainda 169 mortes.

Em Portugal, morreram 17.485 pessoas e foram registados 988.061 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.