Madeira

30% da faixa corta-fogo no Funchal já foi intervencionada

None

A secretaria regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas revelou, em comunicado, que 30% dos 640 hectares do projceto do Governo Regional para protecção e segurança da população do Funchal contra os incêndios, denominado ‘faixa corta-fogo’, já foram intervencionados.

Na primeira fase do projecto, começaram a ser retiradas gradualmente as plantas invasoras altamente combustíveis (eucaliptos, acácias, carqueja, giesta e matos secos que facilitam a propagação do fogo). No seu lugar, foram plantadas espécies folhosas (carvalhos, castanheiros e espécies indígenas), que ardem com mais dificuldade, reduzindo a intensidade do eventual fogo.

Segue-se, agora, para a criação de uma rede de caminhos florestais de acesso, construção de um tanque de 1.500 metros cúbicos e instalação de uma rede de água de 10,5 quilómetros e 25 bocas de incêndio para fornecimento de água aos bombeiros. Serão igualmente beneficiados os tanques existentes.

ARM doa terrenos à Região

A faixa corta-fogo, que se estende ao longo do Caminho dos Pretos, entre o Terreiro da Luta e o Palheiro Ferreiro, ganhou hoje mais terrenos, com a cedência de mais de 22 mil metros quadrados por parte da empresa Água e Resíduos da Madeira (ARM).

Conforme referiu a empresa, esta contribuição surge no âmbito da responsabilidade social da empresa e enquadra-se no seu Plano de Actividades para 2018-2022, o qual determina “contribuir para a solidariedade económica e social, para o correcto ordenamento do território e para o desenvolvimento regional”.

Desta forma, o Governo Regional prossegue a execução da sua política de prevenção contra os incêndios florestais, não apenas salvaguardando o nosso património natural ambiental, mas, também, enquanto medida de protecção das populações e dos seus bens.