O talento e as oportunidades

É nessa reinvenção do ciclo e na dicotomia talento versus oportunidades que podemos criar valor para que os melhores aqui queiram ficar

21 Set 2017 / 02:00 H.

Quando cá cheguei, fiquei deslumbrado com a capacidade criativa que existiu no passado na arte de deslocar a água entre sítios, neste caso através das levadas, ou a arte da plantação nos sítios mais inacreditáveis, falando dos socalcos, ou mesmo a arte do transporte (radical) através dos vimes com os carrinhos de cestos. A Madeira tem de facto na sua história alguns dos mais brilhantes casos de economia criativa e isso reflecte-se nalguns dos seus maiores talentos criativos e no seu dia a dia, tornando-se evidente que é uma valência que nasce no sangue dos madeirenses. Essas veias repletas de talento e criatividade, podem ser estimuladas ou castradas, mas nunca apagadas e quando menos esperamos somos surpreendidos pelo talento.

Podemos dividir o nosso caminho para o sucesso sob várias vertentes. Uma delas são os objetivos que delineamos profissionalmente diretamente ligados também à ambição que temos em assumir, crescer ou valorizar de uma forma puramente estratégica. Outra a nossa capacidade de fazer bem uma determinada coisa, a apetência que temos para desempenhar com naturalidade e brilhantismo alguma tarefa ou exercício especifico a que chamamos de talento conjugado com a capacidade de trabalho e a prática.

Em todos os casos precisamos de oportunidades. São elas que nos alimentam a vontade e o querer mas também que nos põem no caminho de nos colocarmos à prova e de exercitarmos para fazermos cada vez melhor. Neste caso específico temos que ter em atenção que um País não se pode focar apenas nas oportunidades que podem colocar à disposição em duas ou três cidades e achar que o trabalho está feito. Quanto mais diversificadas forem e em maior número mais perto estará determinada Nação do desenvolvimento.

Nós, aqui na ilha e por enquanto sabemos que temos esta condicionante que é de estarmos longe de tudo.Isso torna a que em determinadas áreas seja difícil criar condições para que essas mesmas oportunidades surjam para que a pratica seja assimilada. Nada tem a ver com o talento. Porque esse anda por aqui a rodos. Na Dança ou na Música na Moda ou na Natureza temos os mais variados exemplos que que isso é coisa que não falta por cá.

É por isso de extrema importância que se vão criando cada vez mais conteúdos e acontecimentos nas diversas áreas que permitam aos talentosos crescer com a experiência e quem sabe um dia se for esse o seu objetivo conquistar o Mundo ou dar condições a outros que se mantenham por cá a fazer o que mais gostam na Terra que também é a deles ou atrair também alguns de fora a vir à Ilha procurar essas mesmas condições sustentadas em boas oportunidades.

É nessa reinvenção do ciclo e na dicotomia talento versus oportunidades que podemos criar valor para que os melhores aqui queiram ficar ou para que outros de inegável qualidade nos procurem. Desenvolver o talento natural através deste suporte que é a prática e estabelecer condições para que possam ser bem sucedidos aqui como lá fora e por cá se sentirem realizados aprendendo com projectos de qualidade é também um desafio. Os nossos jovens de valor só precisam de ser estimulados.

José Paulo do Carmo
Outras Notícias