Presidente indonésio desafia líderes mundiais a aprenderem com ‘A Guerra dos Tronos’

12 Out 2018 / 10:21 H.

O Presidente da Indonésia disse hoje nos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, em Bali, que os líderes mundiais precisam de aprender uma importante “lição moral” com a série televisiva ‘A Guerra dos Tronos’.

“As relações entre as maiores economias mundiais estão a tornar-se cada vez mais parecidas com ‘A Guerra dos Tronos’” e, “enquanto [os países] lutam uns contra os outros (...) esquecem-se de que o inverno está a chegar”, afirmou o anfitrião, Joko Widodo, num discurso muito pouco habitual nestes eventos, com recurso a vídeos da popular série, mas muito aplaudido pela elite económica mundial presente na sala.

Numa série de analogias à série televisiva de ficção que retrata batalhas políticas e guerras entre famílias que dominam várias regiões para garantir o “Trono de Ferro”, Widodo lembrou que existe uma ameaça comum que tem que ser enfrentada, caso contrário só há um resultado possível: “a destruição do mundo”.

O Presidente da Indonésia defendeu que “este não é o tempo das rivalidades e da competição, mas da cooperação e da solidariedade”, sobretudo para lidar com questões essenciais como as alterações climáticas, exemplificou, citando o recente apelo para a ação global do secretário-geral da ONU, António Guterres.

As políticas fiscais e monetárias, o clima de incerteza económico e político, bem como as guerras comerciais, segundo Widodo, servem de cenário para essas batalhas das maiores economias mundiais que devem aprender uma simples lição: “Não faz sentido celebrarmos a vitória no meio da destruição”.

“Em 2019, no ano que vem, vamos assistir ao final da temporada de “A Guerra dos Tronos” e tenho a certeza de que vai terminar com a seguinte lição moral: (...) a competição e a disputa vão ter um resultado trágico, não apenas para os perdedores, mas também para os vencedores”.

Em sintonia, a diretora-geral do FMI, na mesma sessão, defendeu a adoção de uma “abordagem cooperativa” seguida pela Associação de Nações do Sudeste Asiático que, sublinhou Christine Lagarde, “oferece lições importantes”.

“Quando olhamos para o mundo de hoje, enfrentamos o desafio de uma nova paisagem económica, a duas dimensões: A primeira dimensão, mais familiar, inclui as camadas monetária, fiscal e financeira, as nossas interações económicas; a segunda dimensão, mais desafiadora, compreende desigualdade, tecnologia e sustentabilidade. Ambas as dimensões são ‘macro-críticas’”, explicou Lagarde.

Para a diretora-geral do FMI, “as políticas nacionais sólidas são, é claro, essenciais” para “lidar com esses problemas”, mas “navegar por esse novo cenário requer cooperação internacional, [uma] cooperação diferente do passado”.

“Chamo isso de ‘novo multilateralismo’. É mais inclusivo, mais centrado nas pessoas e mais orientado para resultados”, concluiu a líder do FMI no decorrer da sessão mais concorrida dos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, cujo início foi marcado por um minuto de silêncio dos dirigentes mundiais em memória das milhares de vítimas do tsunami e do terramoto que atingiram as ilhas de Lombok e de Celebes, na Indonésia, em agosto e no final de setembro, respetivamente.