Médium brasileiro acusado por mais de 200 mulheres diz-se inocente

Brasil /
13 Dez 2018 / 05:05 H.

O conhecido médium brasileiro João de Deus, acusado de agressões sexuais por mais de 200 mulheres, afirmou hoje a sua inocência na primeira aparição pública que fez desde que os primeiros casos suspeitos foram conhecidos, na semana passada.

“Eu não sou culpado”, disse o autointitulado “curador espiritual”, enquanto tentava abrir caminho para passar entre os muitos jornalistas e centenas de seguidores, vestidos de branco, que o esperavam.

João Teixeira de Faria, de 76 anos, mais conhecido como João de Deus, chegou por volta das 09:00 (hora local, 11:00 em lisboa) à Casa Dom Inácio de Loyolaem, nos arredores da capital brasileira, Brasília, local onde costuma receber os clientes.

Rodeado por voluntários da instituição, dirigiu-se ao salão onde os trabalhos espirituais eram realizados, tendo sido aplaudido pelos funcionários, retribuindo com agradecimentos.

“Meus queridos irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus, mas quero cumprir a lei brasileira porque estou na mão dela. João de Deus ainda está vivo. A paz de Deus esteja convosco”, afirmou o médium brasileiro.

Claudio José Pruja, um voluntário daquele que é um local de peregrinação espiritual, fundado em 1976, disse à agência AFP que o médium não se sentia capaz de praticar as suas habituais sessões de “cura”, que geralmente decorrem de quarta a sexta-feira.

“Ele está afetado, ele não pode falar e não pode incorporar (espíritos). Para realizar o trabalho espiritual, ele tem que estar relaxado”, disse o colaborador.

Na noite de terça-feira, o procurador estadual de Goiás, cidade onde está localizado o centro espírito em causa, disse que recebeu, desde o início da semana, denúncias de “206 mulheres que alegam serem vítimas de João de Deus”. Duas delas vivem no exterior do Brasil: na Suíça e nos Estados Unidos da América.

Essas muitas denúncias surgiram depois do depoimento inicial de uma coreógrafa holandesa, Zahira Leeneke Maus, que declarou à TV Globo, na sexta-feira, ter sido violada por João Teixeira de Faria.

Outras mulheres deram o seu testemunho durante o programa, mas sob condição de anonimato, onde relataram que foram obrigadas a masturbarem-se ou a realizar sexo oral durante as sessões de “cura espiritual”.

A reputação do médium ultrapassou largamente as fronteiras do Brasil, tendo, em 2012, recebido a visita da famosa apresentadora de televisão americana Oprah Winfrey, assim como os dois últimos Presidentes brasileiros, Lula Da Silva e Dilma Rousseff, e o atual chefe de Estado, Michel Temer.

Os Presidentes do Brasil procuraram as consultas espirituais de João de Deus por questões de saúde.