EUA aplicam sanções a membros de rede de corrupção na África do Sul

EUA /
11 Out 2019 / 05:26 H.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos anunciou ontem a aplicação de sanções a três membros da família Gupta, acusada de pertencer a uma rede de corrupção e de interferirem na governação da África do Sul.

Num comunicado ontem divulgado, o Tesouro norte-americano anunciou a aplicação de sanções a Ajay, Atul e Rajesh Gupta, assim como a Salim Essa, referindo que são membros de uma “rede de corrupção significativa na África do Sul” que terá sobrefaturado o Governo, subornado e realizado “outros atos corruptos” para financiar as suas contribuições políticas e assim influenciar a governação do país.

Os Gupta, que tiveram relações próximas com o ex-presidente sul-africano Jacob Zuma, são acusados de “roubar centenas de milhões de dólares através de esquemas ilegais com o Governo”, referiu o Tesouro.

As sanções aplicadas congelam os seus activos nos Estados Unidos e proíbem qualquer entidade norte-americana de realizar negócios com os Gupta, empresários de origem indiana, e com o sul-africano Salim Essa.

“A família Gupta alavancou as suas ligações políticas para se envolver largamente na corrupção e no suborno, conquistando contratos governamentais e desviando activos do Estado. A decisão do Tesouro visa o patrocínio político (...) dos Gupta, orquestrado às custas do povo sul-africano”, afirmou o subsecretário do Tesouro dos EUA para as Informações Financeiras e do Terrorismo, citado pelo comunicado.

“Os Gupta e Essa usaram a sua influência junto de políticos e partidos proeminentes para encher os seus bolsos com ganhos ilícitos. Iremos continuar a excluir do sistema financeiro norte-americano daqueles que lucram com a corrupção”, acrescentou o responsável.

No comunicado, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos refere que apoia os esforços anti-corrupção da África do Sul, assim como o poder judicial independente e o trabalho das instituições responsáveis pelo cumprimento da lei, destacando o trabalho realizado pelo país da África Austral.

“Elogiamos o extraordinário trabalho dos activistas da sociedade civil da África do Sul, jornalistas de investigação e delatores, que expuseram a amplitude e a profundidade da corrupção da família Gupta”, refere o comunicado.

A família Gupta, constituída por três irmãos empresários indianos, instalou-se na África do Sul em 1993 e é acusada de ter aproveitado a sua proximidade com Jacob Zuma para se infiltrar no aparelho de Estado e obter lucrativos contratos e benefícios. Os três irmãos estão no centro dos processos de corrupção e desvio de capitais públicos que contribuíram para a demissão de Jacob Zuma em fevereiro do ano passado.

Os Gupta abandonaram a África do Sul para se instalarem no Dubai.

Outras Notícias