Director de grupo privado de media argelino detido por “corrupção”

14 Fev 2020 / 04:32 H.

O diretor do grupo privado de media argelino Ennahar, Anis Rahmani, foi detido na quarta-feira pelas autoridades por “corrupção”, indicou ontem uma fonte de segurança.

Anis Rahmani “foi detido ontem [quarta-feira] por corrupção e está sob custódia policial”, explicou a mesma fonte à agência de notícias France-Presse (AFP).

Conhecido como Anis Rahmani, Mohamed Mokadem, um jornalista de 49 anos, é acusado de “violação da legislação cambial”, “chantagem para a obtenção de benefícios indevidos”, “abuso de poder” e da “manutenção de contas bancárias no estrangeiro”, segundo vários meios de comunicação privados argelinos.

O grupo Ennahar confirmou hoje a detenção do seu diretor num comunicado publicado no seu portal de Internet.

Rahmani “foi detido por agentes à paisana que o levaram para a brigada da polícia de Bab Edjedid em Argel”, indicou o grupo, refutando as alegações evocadas pelos media.

“Nenhuma acusação foi feita contra Anis Rahmani, que ainda não compareceu em tribunal”, menciona o comunicado.

A imprensa argelina noticiou várias denúncias contra Rahmani - considerado próximo do ex-Presidente Abdelaziz Bouteflika - por difamação.

No final de dezembro, Anis Rahmani e um jornalista do Ennahar foram condenados a seis meses de prisão por “ofensa e difamação” contra o general aposentado Hocine Benhadid, que na época estava detido.