“Temos uma companhia a voar sem contrato”, diz Miguel Albuquerque referindo-se à Binter

10 Ago 2018 / 23:22 H.

Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, disse que “é desastrosa” toda esta situação em torno da Binter, apontando o dedo ao Governo da República que, na sua opinião, foi “negligente”, até porque “temos uma companhia a voar sem contrato”.

“Mais uma vez o Governo da República foi negligente, porque abriu o concurso muito tarde depois de nós termos fornecido os elementos em finais de 2016. Foram adiando e, neste momento, penso que o ajusto directo acabou na quarta-feira, dia 8, e que a companhia sem o contrato na mão estava relutante em voar, sendo que, por isso, temos uma situação desastrosa”, criticou à margem da iniciativa realizada na Festa da Espada, em Câmara de Lobos.

O governante lamentou o facto de já terem sido cancelados 12 voos, com a agravante de não haver comunicação aos passageiros. O que, no seu entender, “é uma vergonha”.

“Nós na quarta-feira mandámos uma carta ao senhor ministro a pedir explicações sobre o que é que se estava a passar, ainda não obtivemos resposta e ninguém sabe o que se está a passar. Esta é mais uma vez a demonstração de como este Governo trata a população da Madeira, porque esta ligação é fundamental e devia estar tratado e salvaguardado os direitos dos passageiros”, realçou.

Miguel Albuquerque disse que foi pedido numa carta a informação das condições deste contrato, mas parece que este ainda está no Tribunal de Contas. “Ou seja, este concurso foi aberto tarde e em más horas depois de ter sido prorrogado o prazo, este ajusto directo acabou e ninguém fez nada, parece que a Madeira não existe, que é uma ficção e que não existem cidadãos aqui a viver, que não precisam de ir de um lado para o outro. Neste momento, temos uma situação caricata, pois temos uma companhia a voar sem contrato”, afirmou, acrescentando que o Governo da República tem de tratar urgentemente desta situação.