Governo quer totalidade do capital social da SDM e depois concessionar a privados

15 Jan 2020 / 18:44 H.

Numa visita à Zona Franca da Madeira, no Caniçal, o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, assumiu que o seu executivo vai “tomar uma decisão, que não será transformar a Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM) numa empresa pública”, ou seja, como é sabido “a ideia neste momento é adquirir a totalidade do capital social da empresa”, o que “não significa que depois não se abra um concurso para concessionar a gestão da SDM por parte de privados”.

“Penso que o modelo será o de capital público e concessão da exploração, com benefícios para o Governo e para a Região. Temos de cumprir regras de transparência, mas o evidente é que é fundamental que todo este processo seja feito de forma estável para não criarmos problemas nem instabilidade numa infra-estrutura que é essencial para a economia da Madeira, sobretudo para as receitas fiscais”, complementou Miguel Albuquerque, para depois visar a oposição.

“Nos últimos anos, alguns herdeiros do Leninismo tiveram um desporto predilecto: atirar sobre a Zona Franca as maiores mentiras e falácias, no sentido de prejudicar a nossa Região e afugentar as empresas do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) em benefício de outras praças, como Holanda, Inglaterra, Chipre ou Malta”, visou, clarificando que a receita fiscal obtida “é importantíssima” a fim de canalizá-la para “áreas sociais” como a saúde, educação e outras “áreas fundamentais da Administração Pública regional”.