Governo e Afavias/Tâmega oferecem banquete a trabalhadores na inauguração de novo túnel no Funchal

A ligação entre a Rua da Ribeira de João Gomes e o Campo da Barca é reaberta na tarde de amanhã, quarta-feira, a quatro dias das eleições regionais

17 Set 2019 / 16:15 H.

A ligação entre a Rua da Ribeira de João Gomes e o Campo da Barca, no Funchal, será reaberta amanhã, quarta-feira, no final da tarde, depois de um banquete que será oferecido aos trabalhadores do consórcio Afavias/Construtora do Tâmega e no qual estará presente o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque.

Segundo apurou o DIÁRIO, no programa (não oficial) de amanhã consta um almoço/convívio com os funcionários e dirigentes do consórcio envolvido nesta obra de 16,3 milhões de euros. Desconhece-se se o banquete - que decorrerá dentro do novo túnel - será oferecido a expensas da Região ou das empresas de construção civil. Sabe-se apenas que terá início às 13 horas, que não será aberto ao público e que só depois de arrumadas mesas e cadeiras é que a ligação rodoviária será reaberta ao trânsito, algo que se perspectiva venha a acontecer por volta das 16 horas.

Embora a deslocação de Miguel Albuquerque à empreitada agora concluída reúna todos os ingredientes de uma inauguração, nada consta da agenda oficial da Quinta Vigia nem tal iniciativa será comunicada publicamente pela Presidência do Governo Regional, ao contrário de outros dois actos em que o chefe do executivo madeirense estará presente.

Albuquerque terá amanhã, quarta-feira, um dia preenchido. De manhã preside ao Conselho de Governo. Depois, pelas 11 horas, visita o novo piso sintético do Campo Adelino Rodrigues, na Escola Secundária Jaime Moniz. Depois, participa no almoço no túnel da Ribeira de João Gomes e às 18 horas visita o novo jardim do Garajau, no Caniço, um investimento de 1,1 milhões de euros. Três “visitas” presidenciais que assinalam a inauguração dos espaços públicos a quatro dias das eleições legislativas regionais.

A empreitada mais impactante será sem duvida a reabertura da Estrada Regional 118, que faz a ligação da Rua da Ribeira de João Gomes à Via Rápida (VR1), na Cidade do Funchal, a qual se encontrava encerrada desde o início dos trabalhos, que ocorrem em Novembro de 2018.

Com prazo de execução de 300 dias (dez meses, aproximadamente), o consórcio fez um enorme esforço por concluir a empreitada até Setembro, laborando para além do horário normal de trabalho e conseguindo terminar a obra agora, na semana que marca o arranque do ano lectivo, desafogando o tráfego automóvel numa zona particularmente sensível no acesso ao centro do Funchal a partir da VR1 sobretudo com o regresso às aulas e, coincidentemente, a quatro dias das eleições regionais.

“Atendendo a que esta via é um dos principais acessos à Cidade do Funchal e desenvolve-se num vale muito cavado, com taludes que ultrapassam a centena de metros, foi dada particular atenção ao enquadramento paisagístico da intervenção minimizando-se as perturbações na envolvente natural”, assinala a Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas (SREI), numa nota enviada ao DIÁRIO.

Neste troço foram executadas duas estruturas de protecção contra a queda de blocos, em betão armado, em ambas as margens da Ribeira de João Gomes, deixando a descoberto a passagem em curva sobre o curso de água.

Os trabalhos visaram essencialmente a construção de estruturas porticadas em betão armado, com vãos entre os 13,5 metros e 17,5 metros, de forma a proteger as três vias da faixa de rodagem existentes.

A estrutura porticada da margem direita da Ribeira de João Gomes, com uma extensão de 231 metros, está ligada ao Túnel Pestana Júnior existente, o qual apenas sofreu intervenção no âmbito da iluminação e alguma sinalização de segurança, passando este a ter uma extensão total de 460 metros. Na margem esquerda da Ribeira de João Gomes, a estrutura porticada executada tem um total de 110 metros e sustenta duas consolas com 7,5 metros de vão.

Sobre a cobertura das estruturas seguir-se-á a colocação da camada de amortecimento para a protecção contra a queda de blocos, composta por conjuntos modulares de camadas de pneus sobrepostos e intercalados com malha de aço de alta resistência, explica a SREI.

Foram ainda executados trabalhos de drenagem, pavimentação, sinalização e iluminação (que incluem a remodelação total da iluminação do Túnel Pestana Júnior).

A empreitada é cofinanciada pelo PO-SEUR (85%) e foi adjudicada ao consórcio externo constituído pelas empresas Afavias – Engenharia e Construções, S.A. e Construtora do Tâmega Madeira, S.A., pelo valor de 16.321.608,96 euros (já com IVA incluído).

Outras Notícias