Demissão na Adbrava alimenta discórdia

25 Nov 2019 / 15:53 H.

O vice-presidente da direcção da Associação de Desenvolvimento da Ribeira Brava (Adbrava) cansou-se e bateu com a porta da instituição de solidariedade social. Rui Gouveia foi um dos 15 sócios fundadores da entidade criada para ajudar as vítimas da intempérie de 20 de Fevereiro de 2010 não esconde ter perdido a “confiança” em Nivalda Gonçalves, acusando a dirigente de manter a entidade como se fosse “um clube fechado”, ou seja sem admissão ou renovação de novos associados, razões pelas quais decidiu pedir a demissão.

Declarações sem qualquer tipo de ‘paninho quente’ do ex-vereador social-democrata nos mandatos de Ismael Fernandes e de Ricardo Nascimento, aliás assume que outro motivo para ter deixado a direcção foi o facto de não ter disponibilidade que tinha quando estava no executivo camarário.

“Entendo que quem exerce este tipo de cargo deve estar presente. Deve estar em contacto directo com as pessoas e não apenas quando há eleições”, mais um recado para Nivalda Gonçalves que foi sucessivamente deputada tendo sido presidente da Investimentos Habitacionais e mais recentemente as Sociedades de Desenvolvimento, embora tivesse sido vereadora sem pelouros e deputada na Assembleia Municipal.

Aquando do contacto o actual técnico da Gesba disse estranhar que só agora o assunto viesse para a praça pública ou não tivesse sido demitido, porque “há dois anos” que não comparece às reuniões: “Esperei que fosse demitido, como não fui... decidi avançar com o pedido”, esclareceu negando que a sua meta seja ser candidato em 2021 à Adbrava.

“Pronto, não vou esconder as coisas. Incompatibilizei-me com a presidente. É isso. Ela tem de assumir aquilo que diz nas minhas costas e ser directa. Ponto”, acrescentou ainda ao rol de predicados usados para criticar a ex-colega de direcção fazendo questão de lembrar que foi ele conjuntamente com Ismael Fernandes que tiveram a ideia de criar uma associação do género no concelho: “Fomos nós. Depois é que ele é que decide convidar a Nivalda”.

Questões políticas

As ausências de Rui Gouveia das reuniões da Adbrava coincidem com a entrada do novo executivo camarário, ou se quiser com as eleições autárquicas de 2017. Antes do acto eleitoral o dirigente quis avançar com uma candidatura e terá tentado reunir apoios dentro da concelhia do PSD. Um desses foi o de Nivalda Gonçalves que posteriormente foi candidata. Foi a partir desta altura o relacionamento nunca mais foi igual e a discórdia tornou-se mais evidente. A ruptura aconteceu na semana passada.

Assuntos internos

O DIÁRIO contactou a presidente da Associação para obter uma reacção às acusações que lhe foram dirigidas, no entanto Nivalda Gonçalves disse estranhar a posição de Rui Gouveia até por ter existido uma reunião de Assembleia Geral e não ter comparecido mesmo demissionário: “Estes assuntos devem ser tratados internamente. Se tem alguma crítica a fazer que o faça nos órgãos próprios”, não se alongando em mais considerações nem mesmo sobre a entrada de novos associados.