Célia culpa “humores do Funchal” para concelho ser o último da lista

12 Nov 2019 / 20:59 H.

A presidente do município da Ponta do Sol já reagiu ao facto do Instituto Nacional de Estatísticas publicou que em 2017 a localidade era o concelho com menor poder de compra de Portugal. Diz a autarca socialista que é “uma herança de anos anteriores que temos de inverter, uma necessidade que sentimos junto de um grande grupo da população e que tentamos suprir todos os dias com vários apoios sociais e medidas que chegam a toda a população, independentemente da sua situação económica”. Mas Célia Pessegueiro encontra outras explicações para rebater os dados apontados pelo INE com claros recados ao governo regional: “Enquanto formos um concelho que recebe investimento público ditado pelos humores do Funchal, continuaremos a ser o último da lista”.

Há muito que a edil reclama por assinaturas de contra-programa com o Executivo de Miguel Albuquerque que tem feito ouvido de mercador daí que aproveitasse para lançar mais umas ‘farpas’: “Enquanto a Ponta do Sol continuar a ser apenas um fornecedor de água, pedra, areia, madeiras, energia, sem receber quase em troca (salvo meia dúzia de empregos) continuaremos a ser o concelho com o mais baixo poder de compra da Região e do país”.

Pelo contrário, garante que tem desenvolvido políticas sociais para colmatar constrangimentos e deficiências “sem olhar às condições sociais”. Relembra o pacote de medidas introduzidas que se estendem a diversos sectores incluindo fiscais como a “devolução da totalidade da receita de 5% que arrecadávamos em sede IRS aos munícipes”.

Considera que estas medidas servem para “atenuar as necessidades mais urgentes da população” sendo fundamentais para permitir o “bem-estar social, que não é o mesmo que bem-estar material”. No entanto, o baixo poder de compra da população “só é conseguido com emprego e uma economia mais pujante”.

Termina a sua reacção com um remate final em direcção ao governo: “É preciso que a normalidade seja reposta. Continuaremos a lutar pelos interesses da Ponta do Sol e dos ponta-solenses”.

Outras Notícias