ARM investe 320 mil euros no Sistema Elevatório dos Socorridos

Empresa pública Águas e Resíduos da Madeira também lançou concurso de 93 mil euros para substituir material na ETRS da Meia Serra

11 Out 2019 / 14:00 H.

A empresa pública Águas e Resíduos da Madeira (ARM) lançou ontem um concruso público no valor de 320 mil euros para projectar a requalificação das instalações do Sistema Elevatório dos Socorridos, nesta que será a 2.ª fase do projecto.

O documento de concurso público está publicado em Diário da República e visa encontrar concorrente para executar trabalhos de “melhoria global deste sistema de captação e transporte, incluindo furos de captação, quer através da reformulação de alguns

equipamentos, quer através de instalação adicional de novos equipamentos que permitirão a exploração do sistema com a máxima eficiência e segurança”, bem como a “execução de câmara em betão armado para instalação de medidor de caudal DN50 (dimensão das tubagens) no exterior da estação elevatória nas imediações do RAC (reservatórios de água) existente”, termos técnicos para utilizados no anúncio.

Os trabalhos ainda implicam a “reformulação do posto de cloragem (equipamento para adição de cloro à água) do PEZO - Parque Empresarial da Zona Oeste” e “execução da instalação eléctrica da Câmara de Válvulas e de Derivação dos Socorridos no PEZO e Posto de Cloragem, incluindo quadro eléctrico e toda a instalação eléctrica de alimentação, comando, protecção e de comunicações”, acrescentando-se a esta operação a “reformulação de toda a instalação eléctrica, de média e baixa tensão, incluindo posto de transformação, quadros elétricos e toda a instalação de alimentação, comando, protecção e comunicações” e “implementação de um novo sistema de automação e integração na telegestão”.

Como referido, o valor do preço base do procedimento é de 320.000 euros a executar no prazo de 210 dias (cerca de 7 meses) e tem especificações precisas sobre que tipo de empresas são aceites a concurso, tendo em conta as especificidades dos respectivos alvarás, que têm de prestar caução de 2% do valor (6.400 euros), sendo escolhida a proposta com melhor qualidade (experiência técnica dos técnicos principais que integrarão a equipa que executará a componente) e custo, com metade da ponderação para cada (50-50%). Tinham 20 dias à data da publicação do anúncio.

Melhorias na Meia Serra

A mesma ARM lançou ontem um outro anúncio para “aquisição de materiais para os atemperadores da IIRSU (Instalação de Incineração de Resíduos Sólidos e Urbanos) da ETRS (Estação de Tratamento de Resíduos Sólidos) da Meia Serra” no valor base de 93.050 euros, implicando o “fornecimento de diversos materiais para a reparação/substituição” desses equipamentos que estão especificados no caderno de encargos.

Instalado na freguesia da Camacha, concelho de Santa Cruz, a IIRSU da ETRS da Meia Serra começou a laborar em 2003, sendo constituída por duas linhas de incineração independentes, cada uma com capacidade de 8 toneladas por hora, cerca de 128.000 toneladas por ano. Em 2017, a energia fornecida à Empresa de Electricidade da Madeira, cerca de 50 GWh/ano (Gigawatt), permitia abastecer perto de 38 mil habitantes, 15% da população da Região.

A execução da instalação deve durar até cinco meses, mas quem vencer terá de nos próximos 11 dias apresentar a “proposta economicamente mais vantajosa, na modalidade de avaliação do preço” (vale 100% da ponderação).

Refira-se que, em breve, a ARM vai ter um novo presidente do Conselho de Administração, já indicado e referido pelo líder do Executivo regional como um trabalho crucial pelo volume de intervenções previstas e no terreno. Amílcar Gonçalves, ainda secretário regional do Equipamento e Infraestruturas, irá substituir Nélia Sousa, que ocupou o cargo desde Março de 2016 e que ainda assinou estes dois concursos.

Outras Notícias