Petit diz que Carlos Pereira até gaguejou quando regressou à Madeira

15 Set 2019 / 18:09 H.

Numa entrevista a ser transmitida esta noite pela Rádio Estádio, Petit mostrou-se muito crítico perante a atitude de Carlos Pereira durante o tempo em que esteve ao leme da ‘nau’ maritimista, na época transacta, não poupando nas críticas ao presidente do Marítimo pela forma como geriu o seu processo de saída. As declarações, repercutidas pelo site ZeroZero, indicam que o processo que decorre em tribunal contra o Marítimo não é pacífico.

“Apresentei-me porque tinha mais um ano de contrato. Trabalhei durante as férias para o Marítimo e apresentei-me no dia 1, onde perguntei se era para me equipar ou não. Eu disse que tinha contrato, ele tentou dividir-me com o Filipe, mas nós fomos juntos e nunca vi o presidente gaguejar tanto como nesse dia. Ele pensava que eu era um miudito, que não tinha coragem para me apresentar. Passa-se muita coisa no futebol e o treinador é o elo mais fraco. Os mais novos aparecem e por vezes aceitam qualquer coisa, às vezes sem saber”, referiu Petit.

“Mais valia ele chegar à minha beira e dizer-me que o trabalho não foi bom, mas não, ele começou a arranjar desculpas, a faltar a reuniões e a mandar o director desportivo. Na gala ele já tinha prestado as declarações [pontuação abaixo das expectativas], mas ainda me deu um prémio de treinador do ano. Insisto: estas pessoas têm de ser desmascaradas, porque andam no futebol há tantos anos e não evoluem. Se nós, jogadores, treinadores e até dirigentes, que tiram cursos, fazemos por evoluir, porque é que estas pessoas também não o fazem? Porque isto é o quintal deles. Se se quer que o futebol português cresça, estas pessoas não podem andar no futebol. E eu vou para a frente, vou até à última”, atirou ainda.

As declarações do técnico, que podem ser escutadas na Rádio Estádio após o encontro entre Boavista e Sporting.

Outras Notícias