Supremo espanhol deixa em liberdade independentista com fiança de 60.000 euros

19 Fev 2018 / 12:12 H.

O juiz do Supremo Tribunal de Justiça espanhol que investiga o processo ilegal de independência da Catalunha decidiu hoje em Madrid deixar em liberdade com o pagamento de uma fiança de 60.000 euros a independentista da ERC Marta Rovira.

A dirigente da ERC (Esquerda Republicana da Catalunha) e deputada regional foi ouvida esta manhã pelo juiz Pablo Llarena, tendo certificado que participou em todas as reuniões convocadas pelo ex-presidente do Governo regional Carles Puigdemont.

Segundo a agência espanhola Efe, Marta Rovira confirmou que assinou em 30 de março de 2015 o roteiro soberanista com outros partidos e associações cívicas da região.

Esse roteiro previa a aprovação de uma declaração de independência daí a 18 meses, se as forças independentistas conseguissem ter a maioria dos deputados do parlamento catalão.

A Guardia Civil (correspondente à GNR portuguesa) indicou Marta Rovira como sendo uma peça-chave na organização do referendo de 01 de outubro de 2017 e na posterior declaração unilateral de independência.

A ERC fez parte da coligação de partidos independentistas que apoiaram o executivo regional liderado por Carles Puigdemont que se refugiou na Bélgica com mais quatro independentistas para fugir à justiça espanhola.

O “processo” de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017 quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente com a dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e convocado eleições.

Outras Notícias