Mais de 300 pessoas foram assassinadas por encomenda em 2017 na Venezuela

20 Fev 2018 / 08:35 H.

Trezentas e dez pessoas foram assassinadas na Venezuela o ano passado vítimas de “sicariato” (homicídio por encomenda), segundo dados divulgados hoje pelo Monitor do Delito Organizado, uma organização não governamental que regista os crimes organizados ocorridos no país.

O registo começou a ser feito em junho de 2016, o que, segundo o Monitor do Delito Organizado, torna “impossível uma comparação anual”.

Quanto aos motivos para o “sicariato”, a ONG explica que existem 76 registos sem informação precisa e que os dados recolhidos apontam que em 166 casos houve “vingança pessoal”.

Por outro lado, nove casos de homicídios por encomenda tinham como propósito extorquir a vítima, cinco ocorreram por motivos passionais, dois devido a heranças e outros dois por ajuste de contas (problemas entre grupos).

Foi ainda determinado uma situação por disputa relacionada com a atividade mineira e outra por motivos políticos-estudantis.

A maioria dos “sicariatos” ocorreu durante a noite, entre as 18:00 e as 24:00 horas, e em dias da semana.

Dos 310 “sicariatos” contabilizados, 27 casos são de duplo homicídio, seis de triplo homicídio e três de quádruplo assassinado.

A maioria das vítimas tem menos de 45 anos de idade e em 276 casos são homens.

Quanto às regiões do país com mais assassinatos por encomenda em primeiro lugar está o Estado de Zúlia (175 casos), Carabobo (13), Bolívar (12) Táchira (10), Arágua (9) e Anzoátegui (8).

O Distrito Capital e o vizinho Estado de Miranda registaram sete casos em cada um deles.

No final da tabela, que contém dados de 16 regiões venezuelanas, está Sucre, com um homicídio por encomenda.

Outras Notícias