“Pais arguidos vão poder ser logo afastados” é um dos temas que marca a actualidade nacional

País /
27 Nov 2019 / 10:26 H.

“Violência doméstica: Pais arguidos vão poder ser logo afastados”. É este o tema que faz a manchete do Público, nesta quarta-feira, dia 27 de Novembro. O jornal nacional dá conta de uma nova proposta de lei do Governo que pretende que em caso de violência doméstica os pais arguidos sejam “logo afastados” da família, permitindo “medidas de coacção urgentes como a suspensão de responsabilidades parentais ou de utilização da casa de morada de família” .

“Portugal afinal vai aprovar a directiva sobre impostos das multinacionais”, titula, por sua vez o Diário de Notícias. “Desde Julho de 2017, data em que o Parlamento Europeu aprovou, com emendas, a proposta lançada pela Comissão em abril de 2016, que não havia condições para que o Conselho desse luz verde à nova legislação sobre transparência fiscal das multinacionais”, escreve o DN e adianta que o governo decidiu viabilizar a lei até agora “bloqueada”. A lei prevê, entre outras coisas, que as multinacionais tornem públicas informações sobre o local onde realizam os seus lucros e onde pagam os seus impostos na União Europeia, país por país. E terão de divulgar, também, pormenorizadamente, a actividade que praticam nas “jurisdições fiscais que não respeitam as normas de boa governação fiscal” (os chamados paraísos fiscais).

Já o JN revela que as “classes média e baixa são as que contratam mais seguros de saúde”, tratando-se de um total de “72% das apólices apesar de a maioria não pagar taxas moderadoras”.

“Perdi o pai, a mãe e o melhor amigo”, é a frase utilizada pelo Correio da Manhã para destaque de capa. A declaração foi feita pelo filho de Rosa Grilo durante o julgamento do homicídio do triatleta.

Nos desportivos o destaque vai para o Benfica, que decide esta quarta-feira a continuidade na Liga dos Campeões, num duelo com o Leipzig. Ainda a encher as capas dos jornais desportivos nacionais estão a “fera” Loum e a renovação de Bruno Fernandes.