Trump perde secretário do Interior por causa de “ataques cruéis e politicamente motivados”

Ryan Zinke justificou assim a saída da administração norte-americano

EUA /
16 Dez 2018 / 06:13 H.

O ainda secretário do Interior norte-americano, Ryan Zinke, justifica que a sua saída da administração norte-americana foi motivada por “ataques cruéis e politicamente motivados” contra a sua pessoa e a sua família, divulgou ontem a agência Associated Press (AP).

A agência noticiosa norte-americana AP teve acesso à carta de demissão de Ryan Zinke momentos depois de o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter anunciado que o responsável pela pasta do Interior ia deixar o cargo no final do ano.

Na carta citada pela AP, Ryan Zinke fala em “ataques cruéis e politicamente motivados” contra a sua pessoa e a sua família, ataques esses que “criaram uma lamentável distração” para o cumprimento das suas tarefas.

Na mesma missiva, Ryan Zinke fala em “alegações sem mérito e falsas”, salientando que “para alguns, a verdade não importa mais”.

Ryan Zinke, um ex-congressista do Estado do Montana, tem sido alvo de uma série de investigações federais, nomeadamente sobre gastos indevidos, negócios suspeitos e potenciais conflitos de interesses.

Na carta, o político diz que todas as alegações têm sido investigadas exaustivamente, escrevendo ainda que em cada assunto “a conclusão foi e será sempre” que as regras e os regulamentos foram cumpridos por ele.

“O secretário do Interior Ryan Zinke vai abandonar a administração no final deste ano, depois de ter [exercido] por um período de quase dois anos”, disse ontem Donald Trump, numa publicação na rede social Twitter, sem mencionar o motivo da saída.

De acordo com o Presidente norte-americano, Ryan Zinke “conseguiu muito” durante o seu mandato.

“Quero agradecer-lhe o serviço que prestou à nossa nação”, concluiu o chefe de Estado norte-americano.

O sucessor de Zinke deverá ser apresentado na próxima semana.

Também ontem Donald Trump anunciou que Mick Mulvaney será o seu novo chefe de gabinete, substituindo John Kelly, cuja saída foi divulgada no passado dia 8.