Papa Francisco insta romenos a terminarem os “velhos e actuais rancores”

01 Jun 2019 / 16:45 H.

O Papa Francisco pediu hoje que se transformem “velhos e atuais rancores” na Roménia em “novas oportunidades de comunhão”, durante a missa que celebrou no santuário mariano de Sumuleu-Ciuc, um dos mais importantes para a minoria católica romena.

No segundo dia da visita à Roménia, Francisco lançou uma mensagem de união entre as diferentes identidades sociais e religiosas no país, de maioria ortodoxa, antes de viajar para a região da Transilvânia, onde grande parte dos católicos e romenos húngaros está concentrada.

Perto do santuário de Sumuleu-Ciuc, o pontífice lembrou que a peregrinação ao templo representa um povo “cuja riqueza são mil faces, culturas, línguas e tradições”.

“Não nos deixemos ser roubados pela fraternidade por causa das vozes e feridas que alimentam a divisão e a fragmentação”, pediu, acrescentando que “os complexos e tristes acontecimentos do passado não se devem esquecer ou negar, como tão-pouco podem constituir um obstáculo ou uma razão para impedir uma coexistência fraternal desejada”.

Francisco disse que “a peregrinação significa sentir-se chamado e encorajado a caminhar juntos, pedindo ao Senhor a graça de transformar ressentimentos antigos e atuais e a desconfiança em novas oportunidades de comunhão”.

O Papa sublinhou que é necessário “descobrir e transmitir a mística de viver juntos, de não ter medo de misturar, encontrar e ajudar uns aos outros”.

“É o compromisso de lutar para que os retardatários de ontem sejam os protagonistas de amanhã e os protagonistas de hoje não se tornem os retardatários de amanhã, o que exige o trabalho artesanal de tecer o futuro juntos”, defendeu o Papa, em viagem por um país em que a minoria católica sofreu a perseguição do regime comunista e tensões com a maioria da Igreja Ortodoxa.

A primeira-ministra romena, Viorica Dancila, e o Presidente húngaro, János Áder, assistiram à missa, dada a grande presença de romenos étnicos húngaros na Transilvânia, que pertenciam ao Império Austro-Húngaro até a sua desintegração, após a I Guerra Mundial.

O santuário mariano de Sumuleu-Ciuc é um local de peregrinação histórico para católicos e Francisco doou uma escultura em madeira da virgem do santuário da “Rosa de Ouro”.

Francisco chegou ao local no “papamóvel”, cumprimentando os milhares de fiéis que o esperavam, depois de uma longa viagem de Bucareste, primeiro de avião e depois de carro para Sumuleu-Ciuc, com condições meteorológicas adversas, que impediram o uso do helicóptero.

É a primeira vez que um papa vai à região da Transilvânia, porque João Paulo II não o fez a sua viagem histórica à Roménia exatamente 20 anos atrás, em 1999.

Após a missa, o Papa argentino deixou o santuário e entrou na casa diocesana na cidade vizinha de Miercurea Ciuc, gerido pela Cáritas e dedicado ao arcebispo Jakab Antal, que morreu em 1993 e passou 13 anos preso pelo regime comunista e submetido a trabalho forçado em uma mina de chumbo.

Na casa diocesana, Francisco cumprimentou alguns colaboradores com suas famílias e abençoou um grupo de pessoas com deficiência.