Centeno garante que todos os cenários relativos ao ’Brexit’ estão a ser preparados

Europa /
23 Jan 2019 / 16:25 H.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, garantiu hoje estarem a ser preparados todos os cenários da saída do Reino Unido da União Europeia (’Brexit’), em entrevista à Bloomberg, referindo as questões políticas na origem dos riscos para a economia internacional.

Em entrevista à Bloomberg, à margem do Fórum Económico Mundial de Davos, o ministro português das Finanças referiu que, apesar de estarem todos os cenários a ser preparados, é de “evitar um cenário de saída sem acordo, porque seria bastante negativo não apenas para a União Europeia, como especialmente para o Reino Unido”.

“Todos devem estar cientes disso e trabalhar à mesa das negociações. Vamos continuar optimistas”, disse.

Mário Centeno lembrou haver ainda passos no processo que podem evitar o pior cenário, o que “seria um choque e muito negativo para a economia”, mas possível de responder tomando as “necessárias medidas legislativas”.

“É difícil tratar o Reino Unido como terceiro país [não membro da UE], mas acredite que estamos a preparar-nos para o fazer”, garantiu Centeno.

O ‘Brexit’, mas também as “incertezas em torno do orçamento italiano”, foram exemplos dados sobre as razões políticas para a “maioria dos riscos” que a economia tem acumulado nos últimos meses e que a “todos deve preocupar”.

Mas encontrada a origem, Centeno instou os políticos a resolverem as questões, afirmando esperar que desaceleramentos registados sejam temporários, mesmo o da produção na Alemanha, até porque continua a crescer e as “perspectivas no mercado laboral são muito positivas”.

O foco deve estar nesses aspectos positivos, argumentou, e sobre o orçamento italiano indicou que deve estar no cumprimento dos compromissos assumidos.

Sobre os bancos no país, nomeadamente de menor dimensão, o presidente do Eurogrupo referiu a necessidade de se manter o optimismo, mas sem deixar de afirmar preocupação com a situação.

Centeno afirmou ainda a importância das eleições europeias em maio e que está optimista quanto à União Bancária Europeia, no âmbito das reuniões bilaterais que tem mantido.

O responsável acredita que passos concretos podem ser dados até Junho.

A comitiva portuguesa na reunião de Davos é liderada pelo ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.

Outras Notícias